Corporação

Corporação , forma jurídica específica de organização de pessoas e recursos materiais, afretada pelo Estado, para fins de realização de negócios.

Em contraste com as outras duas formas principais de propriedade empresarial, a sociedade unipessoal e a parceria, a corporação se distingue por uma série de características que a tornam um instrumento mais flexível para a atividade econômica de grande escala, especialmente para fins de captação de grandes somas de capital para investimento. Dentre essas características, destacam-se: (1) responsabilidade limitada, o que significa que os fornecedores de capital não estão sujeitos a perdas maiores do que o valor de seu investimento; (2) transferibilidade de ações, em que o voto e outros direitos no empreendimento pode ser transferido prontamente de um investidor para outro sem reconstituir a organização de acordo com a lei; (3) personalidade jurídica, significando que a própria corporação, como pessoa fictícia, tem legitimidade jurídica e pode, portanto, processar e ser processada, pode fazer contratos e pode deter propriedade em nome comum; e (4) duração indefinida, por meio da qual a vida da empresa pode se estender além da participação de qualquer de seus incorporadores. Os proprietários da corporação em um sentido legal são os acionistas que compram com seu investimento de capital uma participação nos lucros da empresa e que têm nominalmente direito a uma medida de controle sobre a gestão financeira da empresa.



A forma da moderna corporação empresarial originou-se da fusão do tipo de associação comercial conhecida como sociedade por ações, que na verdade era uma sociedade, e a forma jurídica tradicional da corporação tal como foi desenvolvida para medieval guildas, municípios, mosteiros e universidades. Embora as corporações comerciais tenham sido formadas na Inglaterra já no século 16, essas empresas foram monopólios fretados pela coroa para a prossecução de políticas mercantilistas estritas e estavam, portanto, mais próximos, em alguns aspectos, da forma da empresa pública moderna do que da empresa privada.



A fusão das duas formas ocorreu de forma incremental ao longo dos primeiros dois terços do século 19 na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos, na França e na Alemanha com a aprovação de leis gerais de incorporação, que gradualmente tornaram a incorporação uma questão mais ou menos rotineira para empresas comerciais. Particularmente influente para esse desenvolvimento nos Estados Unidos foi o fato de que os poderes de incorporação foram amplamente restritos aos estados individuais sob a Constituição, o que levou, no final do século 19, à competição entre os estados pela liberalização de suas respectivas leis de incorporação. Dada a liberdade de comércio interestadual garantida pela Constituição, os aspirantes a incorporadores poderiam escolher o estado em que desejavam incorporar, sem comprometer sua liberdade de realizar negócios em qualquer outro estado.

Forte impulso pois essa fusão das duas formas surgiu e foi intensificada pela disseminação de novas tecnologias de produção e transporte intensivas em capital. Em particular, a construção de ferrovias - uma questão de importância nacional urgente para todas as nações em industrialização no final do século 19 - exigia grandes somas de capital que poderiam ser asseguradas apenas por meio da forma corporativa e, de fato, apenas com muitos inovações no desenvolvimento de instrumentos financeiros e de dívida na forma corporativa. Além disso, as ferrovias possibilitaram, e em alguns casos tornaram necessária, uma enorme expansão das indústrias existentes (notadamente aço e carvão ) que apenas a forma corporativa poderia suportar. No último terço do século 19, os últimos obstáculos legais à forma corporativa foram removidos, e o período que se seguiu (c. 1870-1910) viu uma expansão sem precedentes da produção industrial e do concomitante predominância da forma corporativa. No entanto, com esses desenvolvimentos, surgiram novos problemas. Grandes corporações industriais, como a Standard Oil Company e a United States Steel Corporation passou a exercer monopolista poderes em suas respectivas esferas econômicas, muitas vezes aparentemente à custa do interesse público. O presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, procurou conter essa concentração de poder corporativo no início do século 20, instando a promulgação de legislação antitruste destinada a preservar a concorrência.



Conforme as corporações aumentaram em tamanho e escopo geográfico, o controle da empresa por seu nominal proprietários, os acionistas, tornaram-se impossíveis quando o número de acionistas das maiores empresas cresceu para dezenas de milhares e como a prática de procuração votação (ou seja, a votação de ações de acionistas ausentes pela administração nas assembleias anuais de acionistas) foi legalizada e adotada. Os gerentes assalariados passaram a exercer virtualmente proprietário discrição sobre a empresa e seus ativos, o que deu origem a debates que perduram até hoje sobre a natureza da propriedade e a responsabilidade social das empresas. ( Ver empresa multinacional.) Mesmo assim, os acionistas têm tentado influenciar as ações das empresas por meio de propostas anuais de procuração.

A atual importância social, econômica e, em muitos casos, política das corporações empresariais é incontestável. Os milhões de empresas em todo o mundo dominam os setores de manufatura, energia e indústria de serviços da maioria das nações desenvolvidas e em desenvolvimento.

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Pensadores Convidados

Saúde

O Presente

O Passado

Ciência Dura

O Futuro

Começa Com Um Estrondo

Alta Cultura

Neuropsicologia

Grande Pensamento+

Vida

Pensamento

Liderança

Habilidades Inteligentes

Arquivo Pessimistas

Começa com um estrondo

Grande Pensamento+

Neuropsicologia

Ciência dura

O futuro

Mapas estranhos

Habilidades Inteligentes

O passado

Pensamento

O poço

Saúde

Vida

Outro

Alta cultura

A Curva de Aprendizagem

Arquivo Pessimistas

O presente

Patrocinadas

A curva de aprendizado

Recomendado