Lição 6: Quando George Bush foi eloquente sobre Osama bin Laden

Lição 6: Quando George Bush foi eloquente sobre Osama bin Laden

Em 21 de setembrostEm 2001, o então presidente George W. Bush fez um discurso em uma sessão conjunta do Congresso em que falou sobre justiça e falou francamente sobre o que o povo americano estava sentindo. Esse discurso foi lembrado e referenciado nos últimos dias; Peter Bergen, em Tempo , notou sua eloqüência incomum. Não nos lembramos do último presidente americano por seu jeito com as palavras, mas muitas de suas palavras vieram definir não apenas as macro ideias que os americanos comuns imaginam que impulsionam nossa política externa (seja qual for sua opinião sobre isso, a frase 'guerra ao terror' grudou). Suas palavras definiram nossas concepções - e equívocos - sobre o que estamos lutando (“eixo do mal”).


O que estávamos lutando, exatamente, não estava claro então, mas contra o que estávamos lutando para nunca esteve em dúvida. Falar sobre o que lutamos foi uma força particular do presidente; tem sido um ponto forte particular dos presidentes americanos, ponto final. A guerra prolonga a poesia.



Aqui está um trecho desse discurso:



Esses terroristas matam não apenas para acabar com vidas, mas para perturbar e acabar com um modo de vida. A cada atrocidade, eles esperam que a América fique com medo, recuando do mundo e abandonando nossos amigos. Eles estão contra nós porque estamos em seu caminho. Não somos enganados por suas pretensões de piedade. Já vimos sua espécie antes. Eles são os herdeiros de todas as ideologias assassinas do século XX. Ao sacrificar a vida humana para servir às suas visões radicais, ao abandonar todos os valores exceto a vontade de poder, eles seguem o caminho do fascismo, do nazismo e do totalitarismo. E eles vão seguir esse caminho até onde ele termina: em túmulo não marcado da história de mentiras descartadas.

O presidente Obama nunca usaria uma frase como 'fingimento de piedade'; falta seu respeito rigoroso e cosmopolita. Mas 'o túmulo não marcado da história de mentiras descartadas' é uma bela frase. É a apoteose de um débil elogio-dano bem feito. Com isso, um presidente prometeu ao seu povo e ao seu governo que o que estávamos lutando não era apenas falso, mas também condenado. “Túmulo não marcado de mentiras” pega a “lata de lixo da história” e a veste com lirismo, cortando o clichê pela raiz. Professar saber o que a história trará soou fiel à celebrada clareza cristã daquele presidente; era o que muitos queriam na época.



Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado