Por que (eu acho) o conservadorismo não é natural

Explorando a profunda divisão temperamental no centro do debate sobre saúde



O debate sobre saúde nos Estados Unidos é como uma versão adulta das tolas guerras culturais dos anos 90: as lutas de hoje estão expondo diferenças profundas e sérias entre visões de mundo progressistas e conservadoras.






Há algumas pesquisas que sugerem que essas diferenças estão enraizadas no temperamento (mais sobre isso em posts futuros, mas por enquanto, veja este pdf de um novo artigo de John Jost e seus colegas sobre temperamento e ideologia na eleição do ano passado). Se for assim, então a divisão esquerda-direita provavelmente tem um componente genético, e a questão básica da política (como as pessoas mudam de ideia?) fica mais interessante. Porque se somos temperamentalmente programados para ir para a esquerda ou para a direita, então não é apenas o argumento racional que nos influencia.

Está claro para muitos agora que a razão tem seus limites, à medida que acompanhamos o debate sobre saúde e enfrentamos argumentos que não fazem sentido para nós. Em tais momentos, você não acha que discordo sinceramente. Você pensa: como poderia qualquer um pensa assim?



É assim que me sinto sobre o conservadorismo como filosofia. Quero dizer por quê – não para persuadir ninguém, mas porque, em circunstâncias em que argumentos racionais não comovem as pessoas, o melhor que podemos fazer é nos entender melhor.



Então, aqui vai.

Como princípio geral, penso eu, os conservadores acreditam que (a) o que herdamos do passado deve ser protegido de mudanças (porque é herdado, nenhuma outra justificativa é necessária) e (b) tentativas de mudar as pessoas e a sociedade geralmente farão vida pior, não melhor.



Caso em questão: esta explicação da sempre lúcida Megan McArdle sobre por que os conservadores preferem os mercados aos governos quando se trata de distribuição de bens e serviços. Os progressistas gostam tanto de regras, ela escreve, porque

eles não querem dizer à vovó para tomar morfina em vez de colocar um marca-passo. É muito melhor se você criar uma fórmula matemática que faça algum médico dizer à vovó para tomar morfina em vez de colocar um marca-passo. Então o médico também pode se isentar da responsabilidade, porque, afinal, ninguém realmente tem qualquer agência aqui – estamos todos apenas nas garras de uma força impessoal.



Duas coisas saltam disso, como a truta de Thoreau no leite, para uma mente não conservadora. Primeiro, a suposição de que a vovó deveria fazer o bypass (porque as avós fizeram no passado, porque ninguém diria à própria avó para ir embora e morrer). Segundo, a suposição de que uma força impessoal deve ser pior para a tomada de decisões do que sentimentos e hábitos pessoais. Ambas as noções parecem essencialmente conservadoras para mim, e eu não entendo nenhuma delas.



O fato é que estamos em um paroxismo político global sobre os cuidados de saúde precisamente porque nenhuma nação pode se dar ao luxo de dar às pessoas todos os cuidados médicos que desejam. A tecnologia de cuidados de saúde é cada vez mais cara, muito mais pessoas estão vivendo o suficiente para sofrer de doenças de estilo de vida decorrentes da obesidade e do tabagismo, e as expectativas de cuidados são maiores do que eram há 20 ou 30 anos. Assim, todos os sistemas de saúde desenvolveram meios de dizer não, e a maioria das pessoas percebe que, se a vovó faz o bypass, outra vovó não. Ou todas as avós recebem bypass, mas gasta-se menos na imunização das crianças, no tratamento da infertilidade ou em qualquer outra necessidade. As escolhas devem ser feitas, de uma forma ou de outra.

Agora, se fizermos com que essas escolhas sejam da esfera dos indivíduos, sabemos, elas serão ruins para a sociedade como um todo. As regras serão dobradas para velhinhas especialmente amadas, ou por médicos especialmente pró-sênior. E as pessoas nas garras do amor, da culpa, do medo e da dor deixarão de lado a justiça e o equilíbrio e lutarão como carcajus enfurecidos para conseguir o máximo que puderem para a vovó.



Em um mundo dirigido por essas linhas, em outras palavras, estamos olhando para a falência nacional e a injustiça generalizada: mais pontes do que podemos pagar e um país em que avós ricas recebem três pontes e avós pobres recebem aspirina.

Em outras palavras, os gastos médicos são uma área em que regras abstratas são melhorar do que relações pessoais matizadas. Assim como exigimos que as pessoas lesadas entrem com ações judiciais (em vez de incendiar a casa do ofensor) e insistimos que as pessoas paguem impostos de acordo com uma fórmula (em vez de apenas entregar o que parece certo), também no campo da saúde, queremos algum escolhas para ser desconectado das emoções individuais e crenças individuais.



O que é, sim, uma maneira de dizer que queremos uma maneira de as pessoas se comportarem de maneiras que não pareçam naturais, que não estejam de acordo com a forma como foram criadas e que não faziam parte de seu mundo 20 ou 30 anos atrás.

Essas são minhas intuições, de qualquer maneira. Eu acho que eles surgem dos dois princípios de não conservadorismo: Primeiro, as coisas mudam, o tempo todo, inevitavelmente, então o passado não é um guia para o futuro; e, segundo, se você não tentar gerenciar a mudança, ela acontecerá com você de qualquer maneira, mas de uma forma pior do que se você a enfrentasse.

A mudança é natural. Para mim, então, o conservadorismo – a fantasia de que a mudança pode ser evitada ou ignorada – parece desesperadamente contrária à ordem natural do universo.

Nós, progressistas, gostamos de regras porque as regras separam as pessoas da tradição, do hábito e das emoções pessoais. As regras abstratas tornam mais fácil para as pessoas daqui a 30 anos se comportarem de maneira diferente das pessoas de 30 anos atrás. McArdle parece dizer que isso é uma pena. Mas vai acontecer de qualquer maneira, então podemos tirar nossas cabeças da areia e nos envolver.

Como eu disse, é uma diferença fundamental, temperamental.

Compartilhar:

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Pensadores Convidados

Saúde

O Presente

O Passado

Ciência Dura

O Futuro

Começa Com Um Estrondo

Alta Cultura

Neuropsicologia

Grande Pensamento+

Vida

Pensamento

Liderança

Habilidades Inteligentes

Arquivo Pessimistas

Começa com um estrondo

Grande Pensamento+

Neuropsicologia

Ciência dura

O futuro

Mapas estranhos

Habilidades Inteligentes

O passado

Pensamento

O poço

Saúde

Vida

Outro

Alta cultura

A Curva de Aprendizagem

Arquivo Pessimistas

O presente

Patrocinadas

A curva de aprendizado

Liderança

ciência difícil

De outros

Pensando

Recomendado