Sobre a Teoria da Lei Divina

Das muitas ilusões que distorcem ou distorceram a interpretação humana da moralidade, uma das mais deletérias e rebuscadas é a teoria da lei divina. Esta teoria afirma muito simplesmente que as ações corretas são aquelas ordenadas por Deus e as ações erradas são aquelas proibidas por Deus. Embora essa teoria presuma a existência de Deus, não tentarei falar sobre esse ponto. Também evitarei mencionar os problemas pragmáticos de realmente interpretar os mandamentos de Deus e de colocar em prática uma teoria que se baseia na fé, uma vez que essas objeções são irrelevantes para o agente moral verdadeiramente e devotamente religioso, por mais convincentes que possam ser para o ateu . Neste ensaio, pretendo simplesmente mostrar que, se alguém adere às leis da lógica, não é possível aderir simultaneamente à doutrina da lei divina e que, mesmo a partir de uma perspectiva religiosa, faz sentido rejeitar essa teoria. n As vantagens teóricas da teoria são relativamente óbvias. Em uma linha, ele resolve algumas das maiores questões da humanidade. Diz-nos em que acreditar (acredite nos mandamentos de Deus) porque essas crenças são corretas (porque Deus, um poder divino, as ordenou) e porque devemos ser morais (porque senão, há uma surpresa desagradável à nossa espera no vida após a morte). Apesar dessas vantagens aparentemente substanciais, quando analisadas objetivamente, a teoria é menos do que clara. Registrada na República de Platão está a objeção clássica à lei divina: como Sócrates diz, 'A conduta é certa porque os deuses a comandam, ou os deuses a comandam porque é certa?' N Como demonstrado por Sócrates, a teoria requer esclarecimento, e expandido, mostra-se, em última análise, infundado. Como Sócrates aponta, a teoria da lei divina não pode ter as duas coisas: as ações são certas porque Deus as comanda ou Deus as comanda porque elas estão certas? Ambos parecem ter implicações impossíveis para a doutrina. n Suponha que as ações sejam corretas porque Deus as ordena. Este princípio apresenta um problema fundamental: ele se baseia na lógica circular. Se as coisas estão certas porque Deus as ordena, então a ação correta é definida apenas em termos do que Deus ordena - 'certo' é sinônimo de 'Deus ordena'. Então, essencialmente, Deus comanda as ações porque Deus as comanda (a.k.a. eles estão certos). O problema com este sistema de lógica circular é que ele transforma as decisões de Deus em decisões inteiramente arbitrárias. Se as ações são corretas porque Deus as ordena, então qualquer ação pode ser correta, e não há razão para louvar a Deus ou acreditar que seus decretos trazem quaisquer vantagens. Deus poderia facilmente atribuir valor moral ao assassinato e não à preservação da vida. Portanto, embora Deus possa estar sempre certo, não haveria absolutamente nenhuma razão para acreditar que ele era 'bom', um pilar fundamental de quase todas as religiões que afirmam interpretar Deus. n Muitos teólogos respondem a essas críticas argumentando que Deus não atribuiria valor moral ao assassinato, mas isso sugere que Deus comanda as ações porque são certas. No entanto, essa explicação novamente tem implicações paralisantes para a lei divina. Se Deus comanda as ações porque elas são certas, então deve haver algum padrão ao qual Deus está apelando ou pelo qual está se julgando. Isso questiona a divindade de Deus e, em última análise, levanta a questão: a que padrão Deus, o Todo-Poderoso, deve apelar? Se existe algum padrão externo de ação correta, o que é e como é derivado? De qualquer forma, isso nos força a aceitar que o certo e o errado são totalmente independentes de Deus, uma crença que vai contra as crenças religiosas que levariam alguém a adotar a teoria da lei divina em primeiro lugar. Ambas as interpretações parecem oferecer justificativas superficiais e errôneas para o envolvimento de Deus na realidade, e ambas parecem desafiar as crenças que os agentes religiosos morais devem possuir para seguir uma religião organizada. (Eles desafiam a bondade de Deus ou sua infalibilidade) n Então, o que isso significa para a moralidade baseada na religião? Felizmente, um dos maiores pensadores do catolicismo tem uma resposta. Santo Tomás de Aquino, lutando contra inconsistências filosóficas semelhantes, desenvolveu uma alternativa: a doutrina da lei natural. Tomás de Aquino teorizou que Deus, como um criador perfeitamente racional, projetou o mundo para operar de acordo com as leis da natureza e nos fez à sua imagem, dando-nos o dom das faculdades racionais. Ele argumentou que essas faculdades racionais eram a chave para a ação correta e Deus as deu a nós para que pudéssemos determinar como agir. Então, em essência, a lei natural dita que a ação certa é aquela com as melhores razões por trás dela - a vida moral é a vida vivida 'de acordo com a razão'. Ele escreve em sua Summa Theologica: “Desprezar o ditame da razão é equivalente a condenar o mandamento de Deus”. n A doutrina da lei natural parece implicar uma relação semelhante entre Deus e a moralidade que o pensamento convencional formou entre Deus e a ciência. A ciência opera independentemente de Deus e permite que os humanos entendam o mundo ao seu redor; da mesma forma, moralidade é o estudo de como agir, de acordo com a razão, em nosso mundo. Com maestria, Tomás de Aquino forneceu um meio pelo qual podemos evitar as armadilhas teóricas da lei divina, mas manter a fé em Deus e em sua divindade. Porém, infelizmente, a lei natural nos leva de volta à proverbial estaca dos estudos em moralidade e nos força novamente a considerar as questões da lei divina tão clara e precisamente colocadas para descansar. (ou seja, o que é ação correta, por que é correta, por que devo adotar os princípios da ação correta etc.) Assim, infelizmente, até mesmo a religião nos aponta de volta à racionalidade, e mesmo os agentes morais religiosos devem pensar por si mesmos a fim de manter sua fé e agir moralmente. n

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado