Por que um cientista 'gênio' pensa que nossa consciência se origina no nível quântico

Nossas mentes têm estruturas quânticas que dão origem à consciência? Sir Roger Penrose, um dos cientistas mais famosos do mundo, acredita nisso e pode explicar como ele pensa que funciona.

Por que umCrédito: Alex Gray

A consciência humana é um dos grandes mistérios de nosso tempo na Terra. Como você sabe que é “você”? A sensação de estar ciente de si mesmo vem da sua mente ou é o seu corpo que a está criando? O que realmente acontece quando você entra em um estado “alterado” de consciência com a ajuda de algum produto químico ou planta? Os animais estão conscientes? Embora você possa pensar que esse enigma básico de nossa autoconsciência estaria na vanguarda da investigação científica, a ciência ainda não tem respostas sólidas para essas perguntas.



Uma maneira de pensar sobre a consciência é concebê-la como um subproduto de vários cálculos que estão acontecendo em seu cérebro.



A teoria da informação integrada, criada pelo neurocientista Giulio Tononi, da University of Wisconsin-Madison, propõe que a experiência consciente é uma integração de uma grande quantidade de informações que chegam ao nosso cérebro e que essa experiência é irredutível. Seu cérebro entrelaça uma sofisticada rede de informações a partir de dados sensoriais e cognitivos.

A teoria do espaço de trabalho global da consciência, desenvolvida por Bernard Baars, neurocientista do Instituto de Neurociências em La Jolla, Califórnia, diz que talvez a consciência seja simplesmente o ato de transmitir informações pelo cérebro a partir de um banco de memória.



Mas há quem pense que nossas tentativas de compreender a natureza da consciência por meio da neurociência estão fadadas ao fracasso, a menos que a mecânica quântica esteja envolvida. O físico matemático da Universidade de Oxford, mundialmente conhecido, Sir Roger Penrose, por exemplo, pensa que a consciência tem origens quânticas.

Junto com o famoso anestesiologista Stuart Hammeroff, que leciona na Universidade do Arizona, Penrose criou a teoria da mente de redução objetiva orquestrada. A teoria é um tanto estranha, mas não pode ser facilmente descartada considerando que Roger Penrose é considerado por muitos como uma das pessoas mais brilhantes do mundo por suas contribuições em cosmologia e relatividade geral. Ele também é conhecido por seu trabalho premiado com Stephen Hawking sobre buracos negros. O físico Lee Smolin certa vez observou que Penrose é “uma das poucas pessoas que conheci na vida que, sem reservas, chamo de gênio”.



Sir Roger Penrose em 2011.

Penrose acredita que a consciência não é computacional. Nossa consciência não é simplesmente um subproduto mecanicista, como algo que você pode fazer uma máquina fazer. E para entender a consciência, você precisa revolucionar nossa compreensão do mundo físico. Em particular, Penrose acredita que a resposta à consciência pode estar em um conhecimento mais profundo da mecânica quântica.

Em um entrevista com Steve Paulson da Nautilus, Penrose usa um exemplo da computação quântica para explicar que qubits de informações permanecem em vários estados até se unirem em um cálculo instantâneo, chamado de “coerência quântica”, fazendo um grande número de coisas agirem juntas em um estado quântico.

É aqui que a teoria de Penrose se baseia no trabalho de Hameroff ao dizer que essa coerência quântica ocorre em estruturas de proteínas chamadas de “microtúbulos”. Esses microtúbulos residem dentro dos neurônios em nosso cérebro e podem armazenar e processar informações e memória. Penrose e Hameroff pensam que os microtúbulos são dispositivos quânticos que orquestram nossa percepção consciente.

Esta teoria não é apreciada por todos na comunidade científica, com muitos críticos dizendo que o cérebro é muito “quente, úmido e barulhento” e não pode sustentar um processo quântico. Outro físico, Max Tegmark, chegou a calcular que o cérebro não pode pensar tão rápido quanto essa ideia exige. Hawking também não está a bordo, sugerindo que Penrose deve se ater à sua área de especialização.

Ainda, um Estudo de 2013 por cientistas japoneses acrescentou algumas provas à teoria de Penrose e Hameroff como os pesquisadores detectaram vibrações nos microtúbulos. Penrose e Hameroff então propuseram que, ao focar a estimulação cerebral nessas vibrações, seria possível “beneficiar uma série de condições mentais, neurológicas e cognitivas”.

qual é o significado de burocracia

Ainda assim, essa teoria da consciência está um pouco à margem em um campo que não teve muitos avanços há algum tempo.

Em 2017, Sir Roger Penrose lançado o Instituto Penrose para estudar a consciência humana por meio da física e diferenciá-la de qualquer inteligência artificial potencial.

Veja Sir Roger Penrose explicar como ele veio a conceber as estruturas quânticas do cérebro:

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Recomendado