Como Donald Trump vê o mundo - em três mapas

A arrogância e a ignorância do candidato presidencial americano Donald Trump ganham vida nesses três mapas, que continuam a história maravilhosa de derrubadas satíricas da cartografia.

Um mapa de como Donald Trump vê o mundo

'Eu sei que o mundo exterior existe': de qualquer outro candidato presidencial, as afirmações mais básicas de política externa soariam meramente cômicas; da boca de Donald Trump, soa como uma vaga ameaça - especialmente para qualquer pessoa no 'mundo exterior' (ou seja, aquela parte não desprezível do planeta fora dos EUA)



para onde vai a consciência depois da morte

A política externa de Trump até agora parece se basear em apenas duas premissas básicas: manter o mundo exterior fora e fazer com que valha a pena. A proposta do Muro Mexicano e uma proibição geral de entrada de muçulmanos nos EUA são dois exemplos do primeiro. Sobre o último ponto, Trump questionou as alianças estratégicas da América e os acordos de livre comércio como 'caronas' para os aliados militares e rivais econômicos da América, respectivamente.



Sob Trump, a América não seria mais o policial do mundo; os EUA devem parar de 'pagar para defender países que podem se dar ao luxo de se defender'; por outro lado, ele não descartou o uso de armas nucleares na Europa, porque “a Europa é um lugar grande”. Nem a China continuaria a 'sugar (a América) secar'. Trump iria 'começar a tributar os bens que chegassem da China'.

Além disso, o candidato à presidência tem sido tão severo com relação a várias pessoas e lugares ao redor do mundo quanto o tem sido com qualquer pessoa e qualquer coisa que ele não goste em casa. Trump chamou a OTAN de 'obsoleta', ridicularizou os líderes europeus como 'fracos', acusou Angela Merkel de 'arruinar a Alemanha' (e chamou a Alemanha de uma 'bagunça total' para uma boa medida), zombou do príncipe saudita Alaweel bin Talal como 'estúpido', pintado Bruxelas como um 'buraco do inferno' e deturpou a segunda maior cidade da Grã-Bretanha, Birmingham, como uma 'cidade totalmente muçulmana'.



Em janeiro, a Câmara dos Comuns debateu se deveria banir Trump da Grã-Bretanha por 'discurso de ódio' - uma iniciativa sem precedentes contra um candidato presidencial americano, mesmo que os parlamentares eventualmente decidissem contra ela.

Nesta quarta-feira, Trump vai concretizar sua política externa em um discurso no National Press Club em Washington DC. Será interessante ver se ele continua a retórica 'América em primeiro lugar' - agonia, contundente e muitas vezes autocontraditória porque, Trump disse, ele 'não gostaria (nossos inimigos) de saber qual é o meu verdadeiro pensamento' - ou modera seu tom e estrutura seus pontos de vista para parecer mais 'presidencial'.

Mas para grande parte da audiência - especialmente aqueles aqui no mundo exterior - o discurso não importa. A visão de mundo de Trump já se solidificou em caricatura, a maior parte da qual é obra dele mesmo, para ser justo.



Aqui estão três mapas pintando o mundo de acordo com Trump, na grande tradição da cartografia usada para satirizar a arrogância e a ignorância imperiais. Para um exemplo anterior, consulte o Mundo de acordo com Reagan (# 38 ), mas também (quando a arrogância e a ignorância britânicas ainda importavam no cenário mundial) o Atlas conservador do mundo (# 105 )

Os três mapas têm algumas coisas em comum. Claro, o US de A é mostrado maior do que estritamente preciso; A África é anunciada como o local de nascimento de Obama (uma referência ao envolvimento anterior de Trump no movimento 'birther' (1); e muçulmanos e mexicanos obtêm alguma proeminência (apenas para serem insultados ainda mais).

número médio de amigos do Facebook 2018

O primeiro mapa, da edição do Huffington Post do Reino Unido, riffs sobre a birra anti-muçulmana de Trump, representando o 'perigo' muçulmano ao rotular a Groenlândia como ocupada por 'muçulmanos esquimós', enchendo a China de 'hackers / muçulmanos chineses' e transformando Birmingham em 'Muslimham', no meio de uma 'zona proibida' cobrindo a maior parte da Grã-Bretanha (exceto o proposto 'campo de golfe' de Trump na Escócia). A Europa foi reduzida a 'Alemanha' e 'Paris' foi perdida em algum lugar dentro da Rússia.

O mundo muçulmano real é rotulado no maior tipo no mapa como MUÇULMANO. Mas uma flecha aponta para a Arábia Saudita como o lugar com 'alguns muçulmanos ricos e bons'. Então, eles não são todos ruins.

Os mexicanos, no entanto, também são maus (e não ricos!) Portanto, o 'muro realmente grande' - construído perto do Canal do Panamá, efetivamente anexando o México aos EUA 'México' mudou-se para a América do Sul, que está cheia de 'criminosos' e 'estupradores'. Uma 'parede norte' - um aceno para A Guerra dos Tronos - separa os Estados Unidos de Trump do que sobrou do Canadá ... desculpe: Norte do México.

A 'melhor torre do mundo' (sem prêmios para adivinhar cujo nome enfeita sua fachada) é protegida do mal do mundo exterior por uma 'barreira de desligamento total e completa', repetida na costa oeste da UST.

qual u.s. estado é o mais retangular?

O que deixa dois lugares no mundo sobre os quais Trump é ligeiramente positivo: a Rússia ainda pode ser governada por 'comunistas', mas pelo menos eles têm um 'bom líder'. E a Austrália, que aparentemente não fez nada (ainda) para ofender Trump, está 'provavelmente ok'.

Não houve tanta sorte para os Ozzies no segundo mapa, de proveniência desconhecida, onde a ilha-continente Down Under é marcada como a fonte de 'escrotos canguru vermelhos (que) dão ótimas perucas'. Um EUA inchado é renomeado, simplesmente, 'Trump' (Alasca é 'Cold Trump' e Havaí é as 'Ilhas Trump' - felizmente, o mapa nos poupa de um nome similarmente renomeado como Ilhas Virgens Americanas).

O Canadá é a 'casa de Ted Cruz, que irei destruir'. O qual Eu vou destruir - mas quem se importa com naquela mais. O México, previsivelmente, é sinônimo de 'estupro', a América Central só é boa para 'férias' e a América do Sul simplesmente é 'quente demais para usar terno'. Cuba? Esqueça, é Mark Cuban estendido abaixo da Flórida, perto de algumas ilhas que são 'menores que a Trump Tower'.

A maior parte da Europa 'não é problema meu', exceto a Grécia, que 'definitivamente não é problema meu'. Sobre a Europa Oriental, Trump parece se lembrar que 'Eu tive duas esposas daqui em algum lugar'. Para a Suécia e a Finlândia, ele tem apenas uma mensagem: 'Você é a Finlândia!' A Grã-Bretanha foi reduzida à 'terra da Rainha e de Piers Morgan', e a Irlanda (em vez da Escócia) serve apenas para uma coisa: 'golfe'.

A África não é a África, é 'Obama é daqui'. Israel é outro lugar identificado com apenas um cara: 'meu garoto Netanyahu'. Toda a Arábia? Basta dizer: 'Eu vi o atirador americano'. Aposto que Bradley Cooper poderia chutar Sykes Picot daqui para Bagdá. O cartógrafo nem se incomodou em inventar algo ofensivo para o resto do Oriente Médio: 'alguma opinião idiota sobre os muçulmanos'. Preencha um. Há muitos flutuando por aí.

A Rússia é governada por um cara que Trump mal pode esperar para ir a um encontro masculino com: Putin (também conhecido como Trump of the Tundra). Os japoneses não são redutíveis a um líder forte, mas 'eles constroem escadas rolantes de alto nível'. A China é os 'Patriotas da Nova Inglaterra' (aparentemente ambos dirigidos na mesma base marxista-leninista) e a Mongólia é a 'China por associação' (já se foram os tempos em que era 'Soviética por associação'). Coreia do Sul? Bem ali entre a China e o Japão, ao norte da Coreia do Norte. Ehm.

A Índia pode esperar alguma hostilidade do futuro presidente Trump, porque 'eles copiaram meu Taj Mahal', o templo do dinheiro que enfeita o calçadão de Atlantic City desde tempos imemoriais. Ei, Sri Lanka, comece a agir: 'Que país é este? Reconhecimento de marca zero '. Ainda assim, melhor do que a Indonésia: 'O que é tudo isso? ISIS? ' Há uma reclamação semelhante sobre a Islândia. Ou era aquela terra do ISIS?

lobo frontal não totalmente desenvolvido até 25

De longe, o mapa mais detalhado é Visão do Mundo de Donald Trump, que repete as afirmações sobre os mexicanos, Obama, Putin, Europa Oriental ('Supermodelstan') e paredes de fronteira. Este mapa olha um pouco para o futuro, vendo Cuba como o 'futuro local dos cassinos Trump falidos', atribui a culpa onde não há ('Antártica - derretendo não por causa das mudanças climáticas (...), mas por causa daqueles pinguins terríveis' ), verifica o nome de outras celebridades (uma Armênia em forma de traseiro é chamada de 'Kardashians').

Alguns detalhes do mapa lembram incidentes específicos na campanha presidencial de Trump até agora. 'Terrível terra do Papa' refere-se às críticas do líder do Vaticano aos instintos de exclusão de Trump, um barco cheio de 'refugiados sírios que enviarei de volta', e até mesmo John McCain é novamente chamado de 'P.OW. fracassado'. Este mapa foi feito por Lalo Alcaraz, um cartunista americano de ascendência mexicana, que dá ao suposto cartógrafo - o próprio Trump - a oportunidade de usar um de seus já clássicos comentários: 'não é o melhor deles'.

Primeiro mapa encontrado aqui sobre Huffington Post Reino Unido . Segundo mapa encontrado aqui sobre Huffingtonpost.com . Terceiro mapa encontrado aqui sobre Obras do mercado hispânico .

Strange Maps # 780

Tem um mapa estranho? Me avisa em estranhosmaps@gmail.com .

(1) Um movimento que questionou a legitimidade de Obama como presidente, com base na alegação de que ele nasceu no Quênia, não no Havaí.

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado