Destruição criativa

Destruição criativa

Destruição criativa. Quando você ouve este termo pela primeira vez, parece um tanto contra-intuitivo ou paradoxal. Em uma segunda rodada; você pode se perguntar por que precisamos criar destruição ou por que essa destruição precisa ser criativa.


Joseph Schumpeter (1883-1950) cunhou pela primeira vez destruição criativa em seu trabalho, Capitalismo, Socialismo e Democracia. Refere-se ao processo no qual a tecnologia e a inovação criam novas maneiras de fazer as coisas e, no processo, deixam as velhas maneiras para trás. A inovação tecnológica pode destruir negócios, setores ou fluxos de empregos inteiros, ao mesmo tempo que permite que novas empresas cresçam em seu rastro. Schumpeter acreditava que o processo de destruição criativa, “que essencialmente revoluciona a estrutura econômica de dentro”, era a marca registrada do capitalismo. Marx originalmente sugeriu essa ideia em Das Capital quando afirmou que, 'a destruição violenta do capital não foi por relações externas a ele, mas sim como uma condição de autopreservação'. Em poucas palavras, Marx acreditava que a “destruição do capital” era necessária para um sistema capitalista florescente.



onde está o Oriente Médio em um mapa

Schumpeter também acreditava que os empreendedores definem esse processo de destruição criativa em movimento. Os empreendedores foram a força econômica disruptiva que manteve e alimentou o crescimento econômico. À medida que esses empreendedores criam tecnologia mais avançada ou estruturas organizacionais mais sofisticadas, eles aumentam a eficiência da produção. Este aumento da produtividade reduz os custos por unidade e aumenta os lucros para os empresários individuais, mas também aumenta a produção e promove o crescimento da economia como um todo. Para Schumpeter, destruir as velhas maneiras de fazer as coisas era uma pré-condição necessária para o crescimento e a lucratividade contínua.



No famoso exemplo de destruição criativa de Schumpeter, ele discute ferrovias e, especificamente, a Ferrovia Central de Illinois. À medida que as ferrovias se expandiam, também crescia a fabricação de trens, de produtos que podiam ser transportados nas ferrovias e da infraestrutura em torno das próprias ferrovias. Cidades começaram a surgir ao longo das ferrovias. No entanto, essa expansão das ferrovias, levou à destruição de certos tipos de lavouras e sistemas agrícolas no Centro-Oeste. À medida que novos e mais eficientes meios de transporte foram criados, todo um modo de vida foi destruído. Os agricultores mudaram da agricultura de subsistência, cultivando as safras de que precisavam, para uma agricultura mais comercial, cultivando safras para o mercado que podiam ser transportadas por ferrovia.

quem é o homem mais inteligente de todos

Como é a destruição criativa hoje?



Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado