Entrevista com o Diretor da Imaginary Foundation

Entrevista com o Diretor da Imaginary Foundation

POR JASON SILVA


A Fundação Imaginária diz 'A grande arte expande a maneira como vemos - eleva o espírito humano do bárbaro e o empurra para o numinoso.' - Uma entrevista com o diretor da The Imaginary Foundation, (reimpresso com permissão de The Imaginary Foundation de um recurso recente em Justapoz Revista)



A Imaginary Foundation é um think tank suíço que faz pesquisas experimentais sobre novas formas de pensar e o poder da imaginação. Eles têm uma grande crença no potencial humano e buscam o progresso em todas as direções. A pequena equipe clandestina é chefiada pelo misterioso 'Diretor', um über-intelectual de 70 e poucos anos cujo pai fundou o movimento dadaísta. Evitando publicidade direta, a equipe buscou as roupas como um veículo improvável para levar suas ideias além da esfera acadêmica e para a cultura popular. Uma equipe de design multicultural com sede em San Francisco articula as ideias do Diretor e as traduz em formatos consumíveis para a nova geração. As perguntas para esta entrevista com o Diretor foram feitas por membros da comunidade da Imaginary Foundation via Facebook.



1) Como surgiu a Fundação Imaginária? Qual foi a inspiração? –Matt Zeutenhorst

É uma história bastante divertida, na verdade: eu estava tomando um café com meu querido amigo na época, Jean-Paul Sartre, neste ótimo lugar na margem esquerda no início dos anos 1960. Em algum lugar durante nossa troca animada, Jean-Paul pronunciou as palavras, 'porque podemos imaginar que somos livres.' Eu deixei cair meu brioche em espanto, minhas sinapses ficando em pé, impressionado com seu profundo insight. De repente, senti que cada célula do meu corpo me ordenou que criasse um contexto para que essa ideia ganhasse vida, que desencadeasse as condições para que essa liberação ontológica se manifestasse e me cercasse de um grupo de pessoas que sentiam o mesmo desejo compulsivo de dê força à imaginação. Tive um momento de êxtase sinestésico enquanto observava meu doce favorito cair na rua de paralelepípedos apenas para ser finalmente interceptado por um corvo faminto (acho que era uma corneille noire, nativa da região). Infelizmente, um pouco depois disso, Jean-Paul e eu nos desentendemos, pois ele achou que eu tinha ficado um pouco burguesa demais, mas o brilho de sua inspiração permaneceu comigo e em 1973 formei a Fundação Imaginária.



2) O que há em The Imaginary Foundation que te faz acordar de manhã? O que o obriga a trabalhar com essa base? –Rebecca Renberg

O desejo insaciável de experimentar as verdades elegantes da natureza e seus inter-relacionamentos requintados. Eu sinto que é profundo que os átomos se reuniram em entidades que são de alguma forma capazes de refletir sobre suas próprias origens. Sinto-me humilde a cada momento em que estou consciente o suficiente para me envolver neste subproduto misterioso e poético da evolução cósmica. SE nós, da Imaginary Foundation, pudermos imbuir nosso trabalho com o mais minúsculo lampejo dessa reverência e, ao fazer isso, inspirar alguém a agir com força e coragem para realizar algo positivo, então vale a pena sair da cama por isso.

3) Por que a imaginação é tão importante? –Marshall Harding



A imaginação é a fábrica que faz lendas. É o início de todas as conquistas. Imaginar é perceber muitos futuros potenciais, selecionar a possibilidade mais agradável e, em seguida, puxar o presente para frente para enfrentá-la. A imaginação nos transportou de tremer em cavernas escuras para flutuar triunfantemente sobre nossa preciosa terra azul. Isso nos lembra que a realidade é maleável e que somos os arquitetos de nosso próprio destino.

4) Então, o que é beleza? –Pierre Mâché

A beleza é um evento dinâmico que ocorre entre você e outra coisa. Pode surgir espontaneamente a qualquer momento, dadas as circunstâncias, ponto de vista e contexto certos. A beleza é, portanto, um estado alterado de consciência, um momento extraordinário de poesia e graça. Pode ser um clímax sinfônico estimulante ou apenas a forma como a luz atinge a borda de uma lata de lixo velha e enferrujada. Buscar a beleza é ter a disposição, a inclinação e o desejo impetuoso de que esse encontro casual aconteça. Se você olhar para a história, a grande arte expande a maneira como vemos - eleva o espírito humano do bárbaro e o empurra para o numinoso.

5) Por que você tem tanta fé na criatividade? –Everett Ruskin

Porque há um momento que surge em que o próprio processo criativo parece 'falar' com o artista. Aqueles que ouviram profundamente esta 'voz' que ecoa os ritmos do universo, e podem recitar suas reverberações de volta para a corrente, são capazes de criar trabalhos que podem encantar o próprio cosmos. Portanto, tenho fé na entrega e aceitação do ato criativo e na humildade de saber que um grande artista é apenas um canal para uma expressão que ressoa com algo que é maior do que ele mesmo.

6) Quem cria a realidade? –Donald Maynard

Nossa experiência da realidade é criada por nossa percepção dela. Robert Anton Wilson afirmou que nosso 'túnel da realidade' poderia ser comparado a um filtro de percepção. Os poros desse filtro têm a forma de metáforas incorporadas. Para tornar a sobrevivência biológica possível, a imensidão da percepção deve ser canalizada através do 'válvula redutora' do cérebro e do sistema nervoso. A função do cérebro e dos órgãos dos sentidos é, portanto, eliminar ou filtrar dados. Cada pessoa é, a cada momento, capaz de perceber a totalidade da consciência - a função do cérebro é nos proteger de sermos oprimidos e confusos por essa massa de conhecimento amplamente irrelevante. No entanto, fazemos contato erraticamente com outras esferas onde percebemos um conhecimento mais absoluto da realidade. Neste nível mais fundamental, o 'quem' se dissolve e só 'existe'. Nesse reino, não somos o centro das coisas, mas apenas um dos vértices do polígono infinito que une natureza, razão e imaginação ao multiverso.

7) Quais as atitudes, práticas e cuidados que as pessoas devem adotar agora em preparação para a singularidade tecnológica que melhor garantirá a sustentabilidade e a segurança do planeta e das gerações futuras, sem restringir nosso impulso de transcender nossos limites e realizar o impossível? –Toussaint Egan

Devemos estar atentos à nossa trajetória atual e à fragilidade do momento da história que agora ocupamos. Pode-se argumentar que a ciência e a tecnologia já ultrapassaram nossa moralidade e estamos em um caminho inevitável para a extinção. De fato, em 1966, Carl Sagan e Boris Shklovskii sugeriram que as civilizações tecnológicas tenderão a se destruir dentro de um século de desenvolvimento da capacidade comunicativa interestelar ou a dominar suas tendências autodestrutivas e sobreviver por escalas de tempo de bilhões de anos. O tempo em que nos encontramos é certamente cheio de desafios únicos, mas sempre houve luta ao enfrentar novos paradigmas - é como lidamos com essas convulsões que importa. Como meu querido amigo Marshall McLuhan observou: 'É como percebemos [as mudanças cataclísmicas] e reagimos a elas que determinará suas últimas consequências psíquicas e sociais. Se nos recusarmos a vê-los, nos tornaremos seus servos. É inevitável que o universo do movimento da informação eletrônica nos jogue como rolhas em um mar tempestuoso, mas se nos mantivermos frios durante a descida para o redemoinho, estudaremos o processo conforme nos acontece e o que podemos fazer a respeito isso, nós podemos passar. ' Acredito que podemos influenciar os eventos. Sim, existem forças poderosas que podem determinar a direção do futuro, mas eu realmente acredito que o futuro não acontece apenas passiva e inevitavelmente. O futuro é CRIADO - é imaginado e realizado por visionários que trabalham e se sacrificam por ele. 'Há algumas pessoas que vivem em um mundo de sonho, e há algumas que enfrentam a realidade - e há aqueles que transformam um no outro.' –Douglas Everett Então, vamos nos enredar na empatia, absorvidos no altruísmo, divinizados através da diversidade e persuadidos a cooperar. Vamos unir razão, conhecimento, lógica, dados, métricas, intuição, paixão, romance, poesia em uma única nota e cantá-la na chave da sinergia. Serão essas qualidades, e muito mais, que nos ajudarão a dar o próximo passo perigoso na jornada de nosso destino coletivo, permitindo-nos olhar no espelho da verdade nua e crua e saber que podemos ser maravilhosos.

8) Criamos a ideia da imaginação ou a ideia da imaginação cria o que percebemos? –Graham Marousek

Hmmm um laço estranho, de fato. Em sistemas formais em matemática estes 'loops estranhos' assumir uma qualidade interessante. Douglas Hofstadter declara no prefácio do 20º aniversário a Gõdel, Escher, Bach, An Eternal Golden Braid: 'É um loop que permite a um sistema' perceber a si mesmo ', tornar-se' autoconsciente '. Em virtude de ter um loop, um sistema formal adquire um self. A chave para a consciência não é o material com o qual os cérebros são feitos, mas opadrõesque pode vir a existir dentro da substância de um cérebro. Cérebros são meios que suportam PADRÕES que espelham o mundo, dos quais, desnecessário dizer, esses cérebros são eles próprios habitantes - e é no inevitável auto-espelhamento que surge que os estranhos laços de consciência começam a girar. Em outras palavras, um 'eu' surge por meio de uma espécie de vórtice, por meio do qual os padrões em um cérebro espelham o espelhamento cerebral do mundo e, eventualmente, se espelham, após o que o vórtice do 'eu' se torna uma entidade causal real. Quanto mais auto-referencialmente rico é esse loop, mais consciente é o self ao qual ele dá origem. ' Portanto, talvez seja possível argumentar que a consciência é uma qualidade nascente da auto-organização padronizada da complexidade emergente que parece ser uma inevitabilidade para o universo conhecido. Eu, portanto, me considero um homem de princípios, mesmo que esse princípio pareça um pouco fraco e antrópico.

9) Em termos de empreendedorismo empresarial, o que pensa ser o próximo para o nosso país / o mundo / a sociedade em geral? –Rebecca Renberg

A evolução da tecnologia transformou a relação entre consumidor e criador para sempre. A propriedade comunal dos meios de produção, pelo menos a produção de ideias, é uma realidade hoje. Mas sinto que estamos passando por uma mudança sísmica em muitos aspectos da cultura humana e a mudança nos negócios é parte de um processo muito maior - o nascimento de uma consciência coletiva supermassivamente paralela. Esta 'Global Mind' pode ainda estar um pouco grogue, mas está claramente acordando. Como Pierre Teilhard de Chardin me disse, 'Assim como a Terra uma vez se cobriu com uma película de organismos vivos interdependentes que chamamos de biosfera, as conquistas combinadas da humanidade estão formando uma rede global de mente coletiva.' As consequências monumentais desse processo de desdobramento e o labirinto de feedback em tempo real dentro do processo tornam quase impossível especular sobre os resultados. Nosso futuro não pode ser analisado no binário simples de uma utopia ou distopia. A natureza complexa, volátil e caótica do futuro que estamos começando a vislumbrar é tão assustadora quanto encorajadora. No entanto, continuo positivo. Podemos ser primatas trôpegos, desajeitados e imperfeitos, mas quando trabalhamos juntos, somos primatas que podem voar!

10) Você acha que haverá um ponto na evolução humana em que poderemos compreender totalmente a própria natureza da vida? –Alexander D. Beckwith

À medida que passamos de um mundo definido por objetos para um mundo extensivamente definido por relações, a experiência humana começará a se dissolver no fluxo universal maior de processos cósmicos. Cruzaremos a fronteira para a realidade ampliada da grade virtualizada, onde as ações do corpo manifestadas por meio de cliques e tecnologia hiperconectada se tornarão um campo de pensamentos sensoriais mediados. Os filtros serão removidos e os metapadrões mais profundos serão revelados. Será então que a natureza coextensiva interdependente do omniverso explodirá. Uma visão do primata anteriormente defeituoso, mas agora atualizável, antes conhecido como humanidade, finalmente emergirá, compreendido em sua verdadeira natureza - uma integridade de padrão holográfico dinâmico, surfando na estrutura de onda-partícula totalmente estendida do universo. Até então, eu mesmo estarei prestando atenção a todas as coisas com abertura e admiração. Henry Miller disse uma vez, 'No momento em que alguém dá atenção a qualquer coisa, mesmo uma folha de grama, torna-se um mundo misterioso, impressionante e indescritivelmente magnífico em si mesmo.' Não acho que a grama fique muito mais verde do que a grama aqui nos Alpes suíços.

11) O que você acha de compartilhar? –Comomons criativos

Compartilhar é o mecanismo que impulsiona a cultura para a frente. A evolução cultural, como sua contraparte biológica, é impulsionada por mutações aleatórias. Esse processo de recombinação, iteração e compartilhamento permite que as ideias mais persistentes sobrevivam. Quando compartilhamos, é como se a imaginação global estivesse respirando. Inspirar é para ser nutrido pela inspiração - expirar é evocá-la .

é o Afeganistão no Oriente Médio

12) Eu sei que o poder da imaginação é infinito, mas em que momento uma ideia se torna realidade e todas as nossas realidades individuais são parte de uma grande ideia? –Adolfo Ramirez

SE, como postulou Carl Jung, compartilhamos um inconsciente coletivo, então certamente compartilhamos uma imaginação coletiva também. O escritor Steven Johnson confirmou isso quando, depois de pesquisar a história das boas ideias, descobriu que epifanias individuais quase nunca são a fonte de insights. Ideias revolucionárias são criações inerentemente sociais que surgem após um período de maturação dentro do útero coletivo. Isaac Asimov observou que, 'A frase mais emocionante de se ouvir na ciência, a única que anuncia novas descobertas, não é‘ Eureka! ’, Mas sim‘ Hmm ... isso é engraçado ... ’” Cada um de nós é um padrão dentro de um meta-padrão social mais amplo, e cada um de nós tem um ponto de vista único a partir do qual vemos nosso mundo. À medida que nos conectamos com outras pessoas e compartilhamos nossos modelos individuais de mundo uns com os outros, nosso modelo compartilhado cresce por meio de um processo gradual que poucos podem ver. O momento de “epifania” ocorre quando uma mente altamente conectada olha ao redor e percebe no que a formiga cognitiva está trabalhando. Ele dá um nome ao que já foi construído, mas aquele ato simples, mas profundo de identificação envia ondas de consciência através do cérebro global, solidificando-o em nossa memória social.

13) Seu passado é um pouco misterioso. Ouvi um boato de que você jogou xadrez com Stanley Kubrick. Isso é verdade? –Linus Leibkörper

Quando eu era figurante do Dr. Strangelove, Stanley e eu jogamos um pouco de xadrez. Lembro-me dele observando que o jogo era uma metáfora cósmica - o tabuleiro, que é um reino finito de duas dimensões, é semelhante a uma visão finita do universo. As peças de xadrez, por sua vez, são de dois tipos: finitas ou infinitas. Os finitos são o rei, o peão e o cavalo: eles se movem em limites únicos de comprimento estabelecido. Os infinitos são a rainha, o bispo e a torre: movem-se em qualquer comprimento e são teoricamente capazes de transcender os limites impostos pelo tabuleiro. Stanley me perguntou: 'Você é um jogador finito ou infinito?' Eu olhei para baixo enquanto suas palavras ricocheteavam de neurônio em neurônio. Depois de uma longa pausa, minha cabeça ainda baixa, murmurei uma resposta: 'Cada um de nós, Sr. Kubrick, cada um de nós tem o potencial para ser um jogador infinito.' Eu olhei para cima, mas Stanley havia sumido - já engolfado pela próxima cena.

14) Como surgiu essa ideia de Undivided Mind, fundindo a tensão muitas vezes oposta que a arte e a ciência criam? Qual foi a sua jornada? –Rebecca Renberg

Tem sido uma viagem tumultuada, estimulante e muitas vezes absurdamente engraçada para todos nós aqui na Fundação Imaginária. Um processo mediado por muitas horas de conversa, diálogo, download e envolvimento com uma infinidade de pensadores racionais e fantásticos. Houve muitas tentativas e erros e uma ladainha de erros, mas sinto que é apenas abraçando essa experimentação infantil sem medo que nossas mentes não divididas podem um dia criar um mundo mais indiviso.

15) Qual é o ponto? –Dustin Turn

Talvez, em última análise, não haja sentido. Ironicamente, para mim, é isso que torna tão profundo estar vivo. A vida é como uma tela em branco. O significado é a tinta que você joga na tela. A vida existe em momentos individuais e cabe a nós garantir que esses momentos sejam vitais, interconectados e vastos. Uma vida que pode contribuir para a experiência social coletiva é uma vida estimulante e significativa. Cada um de nós tem um significado e o damos vida. Qual é o ponto? Talvez não seja necessário fazer essa pergunta quando você mesmo é a resposta.

16) Então, por último, Diretor herdeiro, você acredita em Deus? –Bonkers Bainbridge

Eu sou um panteísta existencial não teleológico. 17) O que isso significa? –Bonkers Bainbridge Isso significa que acredito que existe uma inteligência que percorre todo o universo ... exceto algumas partes da costa de Jersey.

18) Sua exposição recente, The Undivided Mind, visa casar arte e ciência ... você pode expandir isso? - Jason Silva Como Leonard Shlein escreveu em Art and Physics “O artista e o cientista podem, à primeira vista, parecer companheiros estranhos. Das muitas disciplinas humanas, poucas são as que podem parecer mais divergentes. O artista emprega imagem e metáfora; o cientista usa número e equação. A arte cria ilusões destinadas a evocar emoções, enquanto a ciência se engaja na busca de verificação empírica. ... ' Existe, até certo ponto, uma causa fisiológica para essa aparente divergência: as duas metades, ou hemisférios, do cérebro. O lado direito do cérebro é responsável pelas emoções e intuição, o esquerdo pela lógica e pela razão. No entanto, a noção de dois cérebros dá origem à função de uma mente . Talvez seja este “Mente indivisa” que apresenta um caminho a seguir através das mudanças culturais monumentais que agora enfrentamos, permitindo-nos surfar neste momento dinâmico da história a partir de uma plataforma de equilíbrio e simetria. The Undivided Mind A exposição se empenha em fundir a beleza estética da arte e da ciência para criar uma síntese da mente, tanto racional quanto fantástica. Pense nesta mente indivisa como um protótipo da possibilidade humana - um sinal evolutivo de convergência, harmonia e progresso acelerado. O resto depende de nós.

19) Seu enquadramento estético e filosófico está explodindo com um senso de otimismo e beleza - como você faz isso?

A Imaginary Foundation é focada no futuro, e sempre foi, então estamos explorando o que virá depois de avançarmos na escuridão; já estamos nos deleitando com a beleza do outro lado do espelho. E acredite em mim, é maravilhoso. Viver de maneira criativa e alegre requer descartar a tristeza, o derrotismo e o negativismo. Reconhecemos os problemas, mas não permitimos que eles dominem nosso pensamento e nossa direção. Portanto, preferimos ser A FAVOR do que CONTRA, para criar soluções ao invés de protestar contra o que existe. Existem coisas nas quais vale a pena acreditar; há coisas pelas quais vale a pena se apaixonar; e, portanto, nossa ação não deve ser uma reação, mas uma criação. Pois as ideias captam as gotas de orvalho e refletem o cosmos, portanto, que essas ideias sejam nobres, que sejam poéticas e que sejam belas. '

Jason Silva é uma personalidade da mídia e companheiro no Hybrid Reality Instiute

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Recomendado