A extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci

Como sua 'Mona Lisa', a 'Dama com Arminho' de Leonardo da Vinci retrata uma mulher de uma forma que desrespeitava as convenções de seu tempo.
'Dama com Arminho' de Leonardo da Vinci. (Crédito: GiorgioMorara / Adobe Stock)
Principais conclusões
  • Por volta de 1490, Leonardo da Vinci pintou um retrato de uma jovem italiana chamada Cecilia Gallerani, amante de Ludovico Sforza, duque de Milão.
  • Em seu livro de 2022, O que o Arminho viu: A extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci , Eden Collinsworth aborda a origem do retrato e as muitas mãos por que passou ao longo dos séculos.
  • A pintura retrata Gallerani com uma pitada de sorriso malicioso, seus cabelos cobertos por um véu fino enquanto ela segura como um arminho cujas feições e semblantes são curiosamente semelhantes aos dela.
Éden Collinsworth Compartilhe A extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci no Facebook Compartilhe A extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci no Twitter Compartilhe A extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci no LinkedIn

A partir de O que o arminho viu: a extraordinária jornada do retrato mais misterioso de Leonardo da Vinci por Eden Collinsworth. Reimpresso com permissão da Doubleday, uma marca do Knopf Doubleday Publishing Group, uma divisão da Penguin Random House LLC. Copyright © 2022 por Eden Collinsworth.

Cerca de 530 anos atrás, uma jovem italiana – não muito mais velha que uma menina, na verdade – posou para seu retrato.



Era uma prática costumeira na Europa encomendar o retrato de uma nobre antes do casamento – o casamento sendo um evento transacional com valor político ou monetário. O cenário era um extenso e opulento castello milanês, mas o vestido de estilo simples da jovem revelava que ela não era nobre nem estava prestes a se casar. Em vez de ser retratada como algo semelhante a um objeto, ela seria bem e verdadeiramente o assunto significativo do retrato.





Em uma época em que se esperava que seu sexo abrigasse opiniões não expressas, a jovem se divertia durante os longos períodos de sessão para seu retrato, recrutando um círculo de homens instruídos com quem conversar intelectualmente. Muitas vezes eles faziam isso em latim — uma língua diabolicamente complicada cujo alfabeto é derivado dos alfabetos etrusco e grego e apresenta um nominativo, um vocativo, um acusativo, um genitivo, um dativo e um ablativo. Alguns dias, a jovem recitava poesia para os homens ou orava longas passagens de memória; em outros dias, discutiam questões filosóficas em voz baixa e respeitosa para não perturbar a concentração do pintor, cujo foco era forense treinado para o objetivo em questão.

O pintor não era apenas um artista. Na verdade, ele iludiu qualquer número de categorizações, mas se havia um nó central em seu ser, era a curiosidade. Seu fascínio pela ciência frequentemente informava os métodos de como ele trabalhava; estudando a anatomia do olho humano, ele ganhou uma compreensão da relação entre a luz e o tamanho da pupila, observando que “a pupila do olho muda para tantos tamanhos diferentes quantos são os diferentes graus de brilho” e que “à noite e quando o tempo está nublado, que suavidade e delicadeza você pode perceber nos rostos de homens e mulheres”. Para se beneficiar dessa descoberta, ele às vezes pintava em dias nublados ou no início da noite, quando suas pupilas aumentadas tinham um foco mais nítido.



Ele tinha trinta e poucos anos e era incrivelmente bonito: alto, magro, com cachos ruivos caindo sobre os ombros e uma barba bem aparada. Ele tinha um nariz grego perfeitamente reto e olhos profundos e cheios de alma. Havia um brio em seu estilo de roupas, que desrespeitava as convenções da melhor maneira possível. Enquanto a maioria de seus contemporâneos do sexo masculino usava roupas compridas, ele vestia túnicas curtas.



Quanto ao seu personagem, era difícil de ler. Ele não era pensado para ser taciturno tanto quanto egocêntrico. Havia uma natureza meditativa sobre ele, e sua expressão facial muitas vezes repousava na fronteira inquietante entre aberto e não, dificultando a leitura de seus pensamentos. Ele parecia mais contente quando deixado sozinho com seus cadernos; por outro lado, podia oferecer-se à conversa com uma facilidade desarmante e um charme contagiante. A combinação destes dois traços permitiu-lhe retratar a vida interior dos temas que pintou, revelando muito pouco da sua.

A maneira de trabalhar do pintor exigia tempo, e sua recusa em ser apressado com um trabalho encomendado muitas vezes frustrava seu patrono, mas ele era tão admirado - tão incomparável eram seus talentos - que lhe era concedido tanto tempo quanto necessário. Dito isso, a jovem e sua comitiva acharam estranho que, ao passarem por seu cavalete enquanto saíam do estúdio após cada uma das sessões, pudessem ver que nenhuma pincelada havia sido feita no painel de madeira onde deveria haver uma imagem emergente. Sem que eles soubessem, o pintor já havia concebido o retrato. A fim de capturar a fluidez da graça da jovem antes de pintá-la, ele investigou a mecânica de como sua cabeça e ombros se moveriam quando ela se virasse. Para ilustrar seu entendimento, ele desenhou dezoito esboços de composição rápidos da cabeça de um modelo em uma sequência giratória.



Assim como o pintor adotou uma abordagem sistemática de seus métodos de trabalho, também prestou atenção meticulosa aos seus preparativos. O painel de madeira no qual ele pintaria o retrato era pequeno — meros vinte e um e três oitavos polegadas de altura e quinze polegadas e meia de largura. Para que permanecesse impenetrável aos vermes, ele instruiu seu assistente a lavá-lo cuidadosamente com uma solução de conhaque misturada com arsênico sulfuroso e ácido carbólico. Para preencher os orifícios minúsculos do painel e fechar qualquer uma de suas rachaduras finas, ele foi coberto com uma pasta fina de alabastro. O painel foi selado aplicando uma laca de resina de cipreste e mastique. Uma vez que a laca secou, ​​uma grosa de ferro plano foi usada para suavizar quaisquer asperezas remanescentes. Só então o ajudante preparou o painel de madeira com uma camada de gesso branco – uma espécie de aglutinante, misturado com uma combinação de giz de osso e gesso. Esta foi a superfície imaculada sobre a qual o pintor fez um desenho preparatório com pó de carvão. O desenho destinava-se a nada mais do que esboçar uma semelhança com contornos da jovem. O resto — o notável — ainda estava por vir.

Não foi o ajudante que moveu o painel para um cavalete, mas o pintor para que pudesse ajustá-lo ao nível dos olhos. Sob o cavalete havia uma mesa centralizada, facilmente acessível de qualquer direção. Sobre a mesa havia paletas e xícaras rasas de cores misturadas com fórmulas precisamente calculadas. As fórmulas incluíam certos minerais e óleos de sementes criteriosamente selecionados. Perto havia pincéis. Alguns tinham um leve crepúsculo de giz nas pontas aplicado na noite anterior para evitar danos causados ​​por insetos. As escovas maiores eram feitas de cerdas de porco unidas por uma tira de chumbo; os delicados eram formados com pêlo de esquilo e pena de ganso. Vários dos dois tipos foram feitos com alças mais longas, cujo objetivo utilitário era fornecer distância suficiente entre o painel e o pintor, permitindo que ele visse a imagem inteira sem recuar.



Aceitar a encomenda de pintar um retrato da jovem teria obrigado o artista a criar uma impressão lisonjeira dela. Nesse caso, não haveria necessidade de realçar a realidade. Ela era impecavelmente linda. Em concessão a uma das tendências da moda contemporânea da época, a goma arábica – uma goma natural da seiva endurecida das acácias importadas do Oriente – abafou seus cabelos longos e brilhantes, que, enrolados em seu rosto, lhe davam a aparência de uma isca brilhante. Atravessando sua testa alta havia um filete longo e estreito segurando um véu transparente que emoldurava suas feições delicadas. Ela estava radiante: parte criança, parte mulher, com lábios suavizados por uma sugestão de inocência e olhos claros que já haviam aprendido muito da vida, mas estavam ansiosos para ver muito mais.



O pintor a considerava jovem demais para compreender o mundo fora do castello, mas admirava sua inteligência e algo que ela tinha que ele não tinha — um amplo conhecimento de latim. Havia dias em que ele se dava o prazer de ouvir a poesia que ela recitava, mas nenhuma de suas palavras de seda encantaria o contorno de carvão no painel de madeira para se tornar o retrato pintado para o qual ele havia sido contratado. Isso exigiria uma linguagem totalmente diferente, compreendida apenas por ele e apenas quando tudo o mais no estúdio desaparecesse, exceto toda a sua concentração. Ele era ambidestro. Seu hábito era desenhar com a mão esquerda, mas usar as duas mãos quando pintava.

Não importa qual de suas duas mãos alcançou qual pincel repousava sobre a mesa sob o cavalete que segurava no lugar o painel de madeira. O que importa é que há cinco séculos esse simples gesto levou à criação de um retrato que, mesmo agora, faz algo que muito pouco pode fazer. Isso surpreende.



O pintor foi Leonardo da Vinci. “Aprenda a ver”, fora seu conselho. “Tudo se conecta a todo o resto.”

É claro pelo olhar fascinante da jovem que algo – ou alguém – chamou sua atenção. Ainda assim, ela não mostra o menor sinal de tensão no momento fugaz de se afastar da direção que estava indo para olhar para aquela outra pessoa. Há uma profunda intimidade passando silenciosamente entre a jovem e alguém que não podemos ver, e quem quer que seja essa pessoa, ela é mais importante do que você — ou qualquer pessoa — jamais será.



Se seus olhos tivessem dito essas coisas enquanto estudavam o retrato, eles não teriam falhado em sua tarefa.

A jovem - com sua graça sublime e beleza sem culpa - parece estar transmitindo uma mensagem não dita para um pouco além do lugar em que estamos. É para essa pessoa invisível que o início de um sorriso brinca nos cantos da boca e passa pelas bochechas para alcançar os olhos.

  Mais inteligente mais rápido: o boletim informativo Big Think Inscreva-se para receber histórias contra-intuitivas, surpreendentes e impactantes entregues em sua caixa de entrada todas as quintas-feiras

E nós?

Ficamos com uma infinidade de perguntas sem resposta sobre a fascinante jovem distante no tempo, mas exercendo um poder extraordinário, e cujo retrato é tornado mais enigmático por uma criatura de aparência estranha embalada em seus braços. A criatura também é sugestiva; suas garras minúsculas agarram um manto exuberante que a envolve como se guardasse segredos em suas dobras escuras. Com a cabeça meio virada da criatura voltada para a mesma direção da jovem, e seus olhos fixos no mesmo objeto, seus corpos esbeltos parecem quase como uma única figura serpentina. Há algo levemente erótico sugerido pela serenidade com que a jovem acaricia languidamente o pescoço da criatura.

Ela é conhecida simplesmente como Dama com Arminho. Acredita-se que o ano em que ela foi pintada seja 1490, embora até essa data seja discutível.

Compartilhar:

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Pensadores Convidados

Saúde

O Presente

O Passado

Ciência Dura

O Futuro

Começa Com Um Estrondo

Alta Cultura

Neuropsicologia

Grande Pensamento+

Vida

Pensamento

Liderança

Habilidades Inteligentes

Arquivo Pessimistas

Começa com um estrondo

Grande Pensamento+

Neuropsicologia

Ciência dura

O futuro

Mapas estranhos

Habilidades Inteligentes

O passado

Pensamento

O poço

Saúde

Vida

Outro

Alta cultura

A Curva de Aprendizagem

Arquivo Pessimistas

O presente

Patrocinadas

A curva de aprendizado

Liderança

ciência difícil

De outros

Pensando

Recomendado