Os pilares da criação não foram destruídos, dizem novas imagens da NASA

Usando o Chandra, os pesquisadores detectaram mais de 1.700 fontes de raios-X no campo da Nebulosa da Águia. Dois terços dessas fontes são provavelmente estrelas jovens localizadas na Nebulosa, e algumas delas são vistas neste pequeno campo de visão ao redor dos Pilares da Criação. Não há evidências aqui, ou no ambiente circundante, de uma supernova recente. (RAIO X: NASA/CXC/INAF/M.GUARCELLO ET AL.; ÓPTICO: NASA/STSCI)

Um novo conjunto de imagens do observatório de raios-X Chandra da NASA nos mostra o que nunca vimos antes.


Os Pilares da Criação, a 7.000 anos-luz de distância na Nebulosa da Águia, representam uma das imagens mais icônicas do Hubble.



A Nebulosa da Águia contém milhares de novas estrelas, um aglomerado estelar central brilhante e vários glóbulos gasosos em evaporação contendo formação estelar ativa e estrelas jovens brilhantes próprias. (NASA / ESA & HUBBLE; FERRAMENTA WIKISKY)



A nebulosa completa em si é uma corrida: a radiação evaporativa de novas estrelas luta contra a formação estelar ativa e contínua do gás frio da nebulosa.

Esta imagem compara duas vistas dos Pilares da Criação da Nebulosa da Águia tiradas com o Hubble com 20 anos de diferença. A imagem mais recente, à esquerda, captura quase exatamente a mesma região de 1995, à direita. No entanto, a imagem mais recente usa a Wide Field Camera 3 do Hubble, instalada em 2009, para capturar a luz do oxigênio brilhante, hidrogênio e enxofre com maior clareza. Ter as duas imagens permite que os astrônomos estudem como a estrutura dos pilares está mudando ao longo do tempo e mostra um dos melhores exemplos do que podemos aprender fazendo astronomia no espaço. (WFC3: NASA, ESA/HUBBLE E HUBBLE HERITAGE TEAM WFPC2: NASA, ESA/HUBBLE, STSCI, J. HESTER E P. SCOWEN (ARIZONA STATE UNIVERSITY))



Observado pela primeira vez pelo Hubble em meados da década de 1990, nossa tecnologia aprimorada e a passagem do tempo nos deram uma visão aprimorada desse sistema.

Mudanças sutis na estrutura de gás do pilar superior mostram uma saída que provavelmente se origina de uma estrela massiva recém-nascida dentro do pilar. Isso é consistente com a localização de uma nova estrela medida pelo Chandra. (NASA, ESA E A EQUIPE HUBBLE HERITAGE (STSCI/AURA))

Novas estrelas estão claramente nascendo, à medida que fluxos e jatos estelares permeiam o gás.



A visão infravermelha dos pilares permite que as estrelas recém-formadas, dentro dos pilares, sejam vistas. A assinatura azul mostra o gás em processo de evaporação; a fraqueza desse sinal indica uma taxa relativamente lenta de evaporação. Deve levar pelo menos mais de 100.000 anos para que os pilares evaporem completamente. (NASA, ESA/HUBBLE E HUBBLE HERITAGE TEAM; AGRADECIMENTOS: P. SCOWEN (ARIZONA STATE UNIVERSITY, EUA) E J. HESTER (ANTES DA ARIZONA STATE UNIVERSITY, EUA))

Observações no infravermelho próximo podem ver através da poeira, revelando uma tapeçaria brilhante de estrelas jovens e quentes no interior.

O telescópio ANTU do VLT fotografou a famosa região dos Pilares da Criação e seus arredores no infravermelho próximo em 2012. Isso permitiu aos astrônomos penetrar na poeira obscura em sua busca para detectar estrelas recém-formadas. Os resultados no infravermelho próximo mostraram que 11 dos 73 glóbulos de gás em evaporação detectados possivelmente continham estrelas, e que as pontas dos pilares contêm estrelas e nebulosidade não vistas na imagem do Hubble. (VLT/ISAAC/MCCAUGHREAN & ANDERSEN/AIP/ESO)



Mas em comprimentos de onda mais longos, objetos de temperatura mais baixa aparecem.

A poeira quente, em vermelho, fotografada pelo Spitzer em 2007 foi atribuída a uma provável supernova de 8.000 a 9.000 anos atrás. No entanto, outras causas do aquecimento da poeira são plausíveis e, se uma supernova fosse a culpada, observações detalhadas em outros comprimentos de onda a revelariam. (SPITZER SPACE TELESCOPE / IRAC / MIPS; NASA / JPL-CALTECH / N. FLAGEY (IAS/SSC) E A EQUIPE DE CIÊNCIAS MIPSGAL)



A luz infravermelha média revelou que uma fonte de calor difusa estava aquecendo a nebulosa, sugerindo uma supernova recente.

O Observatório Espacial Herschel capturou esta imagem da nebulosa Eagle, com seu gás e poeira intensamente frios. Os Pilares da Criação, que ficaram famosos pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA em 1995, são vistos dentro do círculo. As diferentes cores representam gases extremamente frios: entre 10 e 40 K. (ESA/HERSCHEL/PACS/SPIRE/HILL, MOTTE, HOBYS KEY PROGRAM CONSORTIUM)

Enquanto o infravermelho distante mostrava onde o gás está evaporando, precisávamos de raios X para saber se os pilares estavam sendo destruídos.

Os processos de formação de estrelas que ocorrem dentro dos pilares da criação, bem como em qualquer outro lugar dentro da Nebulosa da Águia, são revelados devido ao ponto de vista único do telescópio de raios-X Chandra da NASA em 2007, com a visão original de 1995 sobreposta para a posição. (RAIO X: NASA/CXC/U.COLORADO/LINSKY ET AL.; ÓPTICO: NASA/ESA/STSCI/ASU/J.HESTER & P.SCOWEN)

Conforme revelado pela primeira vez pelo Chandra há mais de uma década, novas estrelas podem ser vistas se formando dentro da nebulosa, atrás e dentro dos pilares.

As emissões de raios-X que são grandes, extensas e ricas em estrutura destacam uma variedade de supernovas vistas na galáxia. Alguns deles têm apenas algumas centenas de anos; outros são muitos milhares. A ausência de raios-X indica a falta de uma supernova. (NASA/CXC/SAO)

Felizmente, Chandra viu muitos remanescentes de supernovas; sabemos como eles se parecem.

Usando o Chandra, os pesquisadores detectaram mais de 1.700 fontes individuais de raios-X na Nebulosa da Águia. Identificações ópticas e infravermelhas com estrelas foram usadas para classificar intrusos aleatórios em primeiro ou segundo plano, e para determinar que mais de dois terços das fontes são provavelmente estrelas jovens que são membros do aglomerado NGC 6611 dentro da Nebulosa da Águia. (ASA / CXC / INAF / M.GUARCELLO ET AL.)

Uma nova visão de raios-X superior revela apenas fontes pontuais: estrelas e cadáveres estelares.

A capacidade única do Chandra de resolver e localizar fontes de raios X tornou possível identificar centenas de estrelas muito jovens e aquelas ainda em processo de formação (conhecidas como protoestrelas). Observações infravermelhas do Telescópio Espacial Spitzer da NASA e do Observatório Europeu do Sul indicam que 219 das fontes de raios-X na Nebulosa da Águia são estrelas jovens cercadas por discos de poeira e gás e 964 são estrelas jovens sem esses discos. O número de remanescentes de supernova? Zero. (RAIO X: NASA/CXC/INAF/M.GUARCELLO ET AL.; ÓPTICO: NASA/STSCI)

Não houve supernova recente. Os pilares só evaporam lentamente.


Principalmente Mute Monday conta a história astronômica de um objeto, classe ou fenômeno em imagens, recursos visuais e não mais de 200 palavras. A versão original do Chandra pode ser encontrada aqui . Fale menos; sorria mais.

Começa com um estrondo é agora na Forbes , e republicado no Medium graças aos nossos apoiadores do Patreon . Ethan é autor de dois livros, Além da Galáxia , e Treknology: A ciência de Star Trek de Tricorders a Warp Drive .

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Geografia E Viagens

Filosofia E Religião

Entretenimento E Cultura Pop

Política, Lei E Governo

Ciência

Estilos De Vida E Questões Sociais

Tecnologia

Saúde E Medicina

Literatura

Artes Visuais

Lista

Desmistificado

História Do Mundo

Esportes E Recreação

Holofote

Companheiro

#wtfact

Pensadores Convidados

Saúde

O Presente

O Passado

Ciência Dura

O Futuro

Começa Com Um Estrondo

Alta Cultura

Neuropsicologia

Grande Pensamento+

Vida

Pensamento

Liderança

Habilidades Inteligentes

Arquivo Pessimistas

Começa com um estrondo

Grande Pensamento+

Neuropsicologia

Ciência dura

O futuro

Mapas estranhos

Habilidades Inteligentes

O passado

Pensamento

O poço

Saúde

Vida

Outro

Alta cultura

A Curva de Aprendizagem

Arquivo Pessimistas

O presente

Patrocinadas

A curva de aprendizado

Recomendado