Hiper-racionalidade

No vôo para a razão

A hiper-racionalidade é a fé inquestionável na eficácia da razão.

Isso é uma ironia, uma vez que aqueles que adotam a abordagem hiper-racional da razão se opõem violentamente à 'fé' de qualquer tipo. Eles (com razão) condenam a 'fé' como 'irracional', mas então vão ao extremo oposto de tornar a razão suprema. Ao fazer isso, eles inadvertidamente transformam a razão em uma espécie de Deus substituto, a quem devem homenagear a todo custo. Esta é a racionalidade levada ao extremo, além limites racionais, daí o termo ' hiper -racionalidade.' É importante lembrar que alguém pode estar sob a tirania da 'razão' tanto quanto alguém pode estar sob a tirania de um deus (ou deuses). Para fazer a razão absoluto é fazer da razão um 'deus', visto que somente Deus é, por definição, absoluto. Deixar de reconhecer os limites da razão (como fazem os hiper-racionalistas) é ver a razão em termos divinos.

qual é a velocidade de um raio gama

Os hiper-racionalistas se apegam à fé na razão tão desesperadamente quanto os crentes se apegam à fé em Deus. Ambos estão tentando escapar de algo fugindo para os braços de outra coisa. Aqui, no entanto, o foco não está no que crentes estão fugindo (o suficiente já foi dito sobre isso por outros em outros lugares), mas sim, sobre o que hiper-racionalistas estão tentando escapar. O fato de estarem se refugiando na racionalidade sugere que estão fugindo do reconhecimento de sua própria irracionalidade - ou melhor, dos aspectos irracionais de si mesmos. (Lembre-se da Terceira Lei do Movimento de Newton: para cada ação há uma reação igual e oposta.) Eles ficam (muitas vezes inconscientemente) apavorados com a perspectiva de que possam de fato ter um lado irracional que pode assumir a qualquer momento. Eles tem que reprimir esse lado irracional a todo custo, já que pode muito bem sair do controle, uma vez que tenha permissão para se expressar. Assim, o hiper-racionalista, em uma tentativa de se convencer de sua própria racionalidade absoluta e de seu próprio senso de estar completamente no controle, faz uma grande exibição externa de ser hiper-racional e estar 100% comprometido com a razão. Ao fazer isso, o hiper-racionalista é um pouco como a mãe de Hamlet, Gertrude, que 'protestou demais' na peça de Shakespeare. Os protestos excessivos lançam dúvidas sobre as reivindicações.



Existe algum fundamento para esta análise dos motivos do hiper-racionalista? Por acaso, existem.



Os cientistas sabem há muito tempo que no núcleo do cérebro humano, agrupado em torno do tronco cerebral, está um feixe de estruturas neurológicas que são idênticas às estruturas que formam os cérebros dos répteis. Esta parte do cérebro humano é freqüentemente chamada de 'cérebro reptiliano'. Isto é completamente irracional - quase tão 'racional' quanto uma cobra, um lagarto ou um crocodilo. A capacidade humana de racionalidade está localizada no neocórtex, a camada mais externa do cérebro (também conhecida como 'novo cérebro dos mamíferos'), que por acaso é uma adição muito tardia na evolução. (Veja o livro fascinante de David Ritchie, O cérebro binário , para obter mais detalhes.) A irracionalidade é uma parte inevitável de nossa herança evolutiva. David Ritchie fala sobre como o cérebro reptiliano (irracionalidade) e o novo cérebro mamífero (racionalidade) estão em constante conflito um com o outro. Ele observa que o novo cérebro mamífero nem sempre vence nessa 'competição de vontades'. Mais frequentemente do que alguns de nós gostariam de admitir, agimos irracionalmente: sucumbimos aos ditames de nossa mente reptiliana. Assim, o voo para racionalidade é simultaneamente uma fuga de seu próprio irracionalidade e, portanto, uma negação da capacidade de alguém de ser irracional, uma rejeição de uma parte vital de si mesmo. E, claro, fugimos do que tememos, portanto, pode-se concluir que os hiper-racionalistas temem sua irracionalidade e buscam fugir dela refugiando-se em uma devoção excessiva e exagerada à 'razão'.

Existe outra dimensão para a hiper-racionalidade: a fuga das emoções. Desde Descartes, o mundo ocidental manteve a noção equivocada de que as emoções são irracionais. Em geral, aceitamos a dicotomia de Descartes entre razão e emoção sem questionar. No entanto, a ciência mais uma vez mostrou que nem tudo é como parece. No livro dele Erro de Descartes , Antonio Damasio acumulou um corpo impressionante de evidências neurológicas para mostrar que, no nível biológico do processamento cerebral, a razão não pode, e não faz , funcionar por conta própria. As emoções estão inextricavelmente entrelaçadas em nossas decisões e pensamentos mais 'racionais'. Se o hiper-racionalista está fugindo para o abraço da razão, ele também está, involuntariamente, fugindo de suas emoções. E como antes, eles estão fugindo de suas emoções porque as temem. E eles os temem porque pensam que não são capazes de lidar com eles - ou simplesmente porque simplesmente não sabem como lidar com eles.



'Hiper-racionalismo' é uma espécie de oximoro, uma vez que verdadeiro a racionalidade é sempre modesta o suficiente para reconhecer suas próprias limitações. A verdadeira racionalidade nunca reivindicaria para si o status que os hiper-racionalistas atribuem a ela. A razão não é algo absoluto, algum princípio divino: é prática e surge da experiência cotidiana dos seres humanos, conforme percebida pelos sentidos humanos. Agora sabemos que esses sentidos são notoriamente suscetíveis ao engano, então qualquer sistema de raciocínio baseado na evidência dos sentidos está fadado a ser falho de alguma forma. Aristóteles formulou a Lei de Não-Contradição com base na observação do senso comum de que algo não poderia ser verdadeiro e não verdadeiro ao mesmo tempo. Mas qualquer pessoa que tenha algum conhecimento de física quântica sabe que isso não se aplica ao mundo quântico. A razão nos diria (seguindo Aristóteles) que as coisas não podem ter dois estados diferentes ao mesmo tempo, ou ser duas coisas diferentes ao mesmo tempo. No entanto, os físicos quânticos nos dizem que a luz é tanto uma onda quanto uma partícula. A razão nos diz que uma causa não pode ser separada de seu efeito no tempo e no espaço. E ainda, o princípio de não localidade na física quântica afirma que, no nível quântico, isso é realmente possível. Einstein, sempre o racionalista, achou o Princípio da Incerteza de Heisenberg altamente perturbador - e para a mente hiper-racional, sem dúvida é. Ele fez a famosa brincadeira: 'Deus não joga dados com o universo.' Para sua mente altamente racional, a natureza probabilística da física quântica era totalmente abominável. Mas ele, ao que parece, estava errado. Deus (se permitirmos temporariamente que exista tal coisa!) De fato joga dados com o universo - não obstante Einstein e a 'razão'. A propósito, foi proposto (com base em evidências bastante convincentes) que Einstein sofria de Síndrome de Asperger, uma forma leve de autismo, no qual a emocionalidade e a interação social são prejudicadas, mas a percepção sensorial e os processos cognitivos (funções racionais do cérebro) são aprimorados em alguns casos.

A hiper-racionalidade é um mecanismo de defesa: defende contra tudo o que ameaça e causa mal-estar. Emoções e irracionalidade são anátema para o hiper-racionalista porque trazem incerteza e dúvida - e para algumas pessoas a incerteza e a dúvida são perturbadoras. Se podemos abraçar a incerteza e a dúvida, e junto com elas nossas emoções e nossa irracionalidade filogenética, não precisamos da defesa da hiper-racionalidade. Podemos viver uma vida mais plena e equilibrada.

...




Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado