Steven Pinker de Harvard: como falamos revela o que pensamos

O professor Steven Pinker ilustra como o estudo da linguística pode nos dar uma rara janela para a mente consciente.

Meu nome é Steve Pinker e sou professor de psicologia na Universidade de Harvard. E hoje vou falar com você sobre a linguagem. Na verdade, não sou um linguista, mas um cientista cognitivo. Não estou tão interessado como a linguagem como um objeto em si, mas como uma janela para a mente humana.

r n

A linguagem é um dos tópicos fundamentais nas ciências humanas. É a característica que mais claramente distingue os humanos de outras espécies, é essencial para a cooperação humana; realizamos coisas incríveis compartilhando nosso conhecimento ou coordenando nossas ações por meio de palavras. Ele apresenta profundos mistérios científicos, tais como, como a linguagem evoluiu nesta espécie em particular? Como o cérebro calcula a linguagem? Mas também, a linguagem tem muitas aplicações práticas, o que não é surpreendente, dado o quão central é para a vida humana.



r n

A linguagem vem tão naturalmente para nós que estamos propensos a esquecer como ela é um presente estranho e milagroso. Mas pense no que você fará na próxima hora. Você vai ouvir pacientemente enquanto um cara faz barulho enquanto exala. Agora, por que você faria algo assim? Não é que eu possa alegar que os sons que vou fazer são particularmente melífluos, mas, em vez disso, codifiquei as informações nas sequências exatas de assobios e zumbidos e guinchos e estalos que estarei fazendo. Você tem a capacidade de recuperar as informações desse fluxo de ruídos, permitindo-nos compartilhar ideias.



r n

Agora, as ideias que vamos compartilhar são sobre esse talento, linguagem, mas com uma sequência ligeiramente diferente de assobios e guinchos, posso fazer com que você esteja pensando em uma vasta gama de tópicos, desde os últimos desenvolvimentos em seu reality show às teorias da origem do universo. Isso é o que considero o milagre da linguagem, seu vasto poder expressivo, e é um fenômeno que ainda me enche de admiração, mesmo depois de ter estudado a linguagem por 35 anos. E é o fenômeno principal que a ciência da linguagem visa explicar.

r n

A Ciência da Linguagem



r n

Não é de surpreender que a linguagem seja fundamental para a vida humana. A história bíblica da Torre de Babel nos lembra que os humanos realizam grandes coisas porque podem trocar informações sobre seus conhecimentos e intenções por meio da linguagem. Além disso, a linguagem não é uma peculiaridade de uma cultura, mas foi encontrada em todas as sociedades já estudadas por antropólogos.

r n

Existem cerca de 6.000 línguas faladas na Terra, todas elas complexas, e ninguém jamais descobriu uma sociedade humana que carecesse de uma linguagem complexa. Por esta e outras razões, Charles Darwin escreveu: “O homem tem uma tendência instintiva de falar como vemos no balbucio de nossos filhos, enquanto nenhuma criança tem uma tendência instintiva de assar, preparar cerveja ou escrever”.

r n

Componentes da Lingüística



r n

A linguagem é um talento complexo e não é surpreendente que a ciência da linguagem seja uma disciplina complexa.

r n

Inclui o estudo de como a própria linguagem funciona, incluindo: gramática, a montagem de palavras, frases e sentenças; fonologia, o estudo do som; semântica, o estudo do significado; e a pragmática, o estudo do uso da linguagem na conversação.

r n

Cientistas interessados ​​na linguagem também estudam como ela é processada em tempo real, um campo denominado psicolinguística; como é adquirido pelas crianças, o estudo da aquisição da linguagem. E como isso é computado no cérebro, a disciplina chamada neurolinguística.

O que é linguagem?

r n

Agora, antes de começarmos, é importante não confundir a linguagem com três outras coisas que estão intimamente relacionadas à linguagem. Um deles é a linguagem escrita. Ao contrário da linguagem falada, que é encontrada em todas as culturas humanas ao longo da história, a escrita foi inventada um número muito pequeno de vezes na história humana, cerca de 5.000 anos atrás.

r n

E a escrita alfabética, em que cada marca na página representa uma vogal ou consoante, parece ter sido inventada apenas uma vez na história humana pelos cananeus há cerca de 3.700 anos. E, como Darwin apontou, as crianças não têm tendência instintiva para escrever, mas precisam aprender por meio da construção e da escolaridade.

r n

Uma segunda coisa com a qual não se deve confundir a linguagem é a gramática adequada. Os lingüistas distinguem entre gramática descritiva - as regras, que caracterizam como as pessoas falam - e gramática prescritiva - regras que caracterizam como as pessoas devem falar se estiverem escrevendo uma prosa escrita cuidadosa.

r n

Um segredo sujo da linguística é que não apenas esses não são os mesmos tipos de regras, mas muitas das regras prescritivas da linguagem não fazem sentido algum. Pegue uma das regras mais famosas, a regra de não dividir infinitivos.

r n

De acordo com esta regra, o capitão Kirk cometeu um grave erro gramatical quando disse que a missão da Enterprise era 'ir corajosamente aonde nenhum homem jamais esteve.' Ele deveria ter dito, de acordo com esses editores, “ir corajosamente onde nenhum homem jamais esteve”, o que imediatamente se choca com o ritmo e a estrutura do inglês comum. Na verdade, esta regra prescritiva foi baseada em uma analogia desajeitada com o latim, onde você não pode imobilizar um infinitivo porque é uma única palavra, como emfacário [ph] pendência. Júlio César não poderia ter dividido um infinitivo se quisesse. Essa regra foi traduzida literalmente para o inglês, onde realmente não deveria ser aplicada.

r n

Outra famosa regra prescritiva é que nunca se deve usar a chamada dupla negativa. Mick Jagger não deveria ter cantado, “Não consigo nenhuma satisfação”, ele realmente deveria ter cantado, “Não consigo nenhuma satisfação”. Agora, isso é frequentemente promovido como uma regra de linguagem lógica, mas 'não posso' e 'qualquer' é tão negativo quanto 'não posso' e 'não'. A única razão pela qual 'não consigo nenhuma satisfação' é considerado correto e 'não consigo nenhuma satisfação' é considerado não gramatical é que o dialeto do inglês falado no sul da Inglaterra no século 17 º século usado 'não pode' 'qualquer' em vez de 'não pode' 'não'.

r n

Se a capital da Inglaterra estivesse no norte do país em vez de no sul do país, então 'não consigo não' teria sido correto e 'não consigo' teria sido considerado incorreto.

r n

Não há nada de especial em um idioma que é escolhido como padrão para um determinado país. Na verdade, se você comparar as regras das línguas e os chamados dialetos, cada uma é complexa de maneiras diferentes. Tomemos, por exemplo, o inglês vernáculo afro-americano, também chamado de inglês negro ou Ebonics. Há uma construção em afro-americano onde você pode dizer: 'Ele está trabalhando', o que não é um erro, uma bastardização ou uma corrupção do inglês padrão, mas na verdade transmite uma distinção sutil, diferente do que simplesmente 'Ele está trabalhando . ” “Ele está trabalhando” significa que ele está empregado; ele tem um emprego, “Ele está trabalhando”, significa que ele está trabalhando no momento em que você e eu estamos conversando.

r n

Agora, esta é uma diferença tensa que pode ser feita no inglês afro-americano que não é feita no inglês padrão, um dos muitos exemplos em que os dialetos têm seu próprio conjunto de regras que é tão sofisticado e complexo quanto aquele no Linguagem padrão.

r n

Agora, uma terceira coisa, não confundir linguagem com pensamento. Muitas pessoas relatam que pensam na linguagem, mas a comunhão de psicólogos mostrou que existem muitos tipos de pensamento que não ocorrem realmente na forma de frases.

r n

A linguagem da evidência não é pensamento

r n

(1.) Bebês (e outros mamíferos) se comunicam sem fala

r n

Por exemplo, sabemos por experimentos engenhosos que criaturas não linguísticas, como bebês antes de aprenderem a falar, ou outros tipos de animais, têm tipos sofisticados de cognição, eles registram causa e efeito e objetos e as intenções de outras pessoas , tudo sem o benefício da fala.

r n

(2.) Tipos de pensamento continuam sem linguagem - pensamento visual

r n

Também sabemos que mesmo em criaturas que possuem linguagem, nomeadamente adultos, muito pensamento ocorre em outras formas além da linguagem, por exemplo, imagens visuais. Se você olhar para as duas figuras tridimensionais superiores nesta tela, e eu lhe perguntar, elas têm a mesma forma ou uma forma diferente? As pessoas não resolvem esse problema descrevendo essas sequências de cubos em palavras, mas sim pegando a imagem de um e girando-a mentalmente na orientação do outro, uma forma de pensamento não linguístico.

r n

(3.) Usamos o conhecimento tácito para compreender a linguagem e lembrar a essência

r n

Por falar nisso, mesmo quando você entende a linguagem, o que você faz não é em si a linguagem real que você ouve. Outra descoberta importante na psicologia cognitiva é que a memória de longo prazo para material verbal registra a essência, o significado ou o conteúdo das palavras, e não a forma exata das palavras.

r n

Por exemplo, gosto de pensar que você guarda alguma lembrança do que venho dizendo nos últimos 10 minutos. Mas suspeito que, se eu pedisse a você que reproduzisse qualquer frase que eu tenha proferido, você seria incapaz de fazê-lo. O que fica na memória é muito mais abstrato do que as sentenças reais, algo que podemos chamar de significado, conteúdo ou semântica.

r n

Na verdade, quando se trata de entender uma frase, as palavras reais são a ponta de um vasto iceberg de um processamento não linguístico muito rápido, inconsciente, que é necessário até mesmo para dar sentido à própria linguagem. E vou ilustrar isso com um pouco de poesia clássica, as falas do frasco de xampu. “Molhe o cabelo, ensaboe, enxágue, repita.”

r n

Agora, para entender aquele trecho muito simples de linguagem, você tem que saber, por exemplo, que quando você repete, você não molha o cabelo uma segunda vez porque já está molhado, e quando você chega no final e você veja “repetir”, você não fica repetindo continuamente em loop infinito, repetir aqui significa “repetir apenas uma vez”. Ora, esse conhecimento tácito do que os escritores da linguagem tinham em mente é necessário para entender a linguagem, mas ela, em si, não é linguagem.

r n

(4.) Se a linguagem está pensando, então de onde ela veio?

r n

Finalmente, se a linguagem fosse realmente pensada, levantaria a questão de onde viria a linguagem se ela fosse incapaz de pensar sem linguagem. Afinal, a língua inglesa não foi projetada por algum comitê de marcianos que desceu à Terra e a deu para nós. Em vez disso, a linguagem é um fenômeno popular. É o wiki original, que agrega as contribuições de centenas de milhares de pessoas que inventam jargões e gírias e novas construções, algumas delas se acumulam na linguagem à medida que as pessoas buscam novas formas de expressar seus pensamentos, e é assim que obtemos uma linguagem em primeiro lugar.

r n

Agora, isso não para negar que a linguagem pode afetar o pensamento e a linguística há muito se interessa pelo que às vezes é chamado de hipótese da relatividade linguística ou a hipótese de Sapir-Whorf (observe a grafia correta, nomeada em homenagem aos dois linguistas que primeiro a formularam, a saber que a linguagem pode afetar o pensamento.Há muita controvérsia sobre o status da hipótese da relatividade linguística, mas ninguém acredita que a linguagem é a mesma coisa que o pensamento e que toda a nossa vida mental consiste em recitar frases.

r n

Agora que deixamos de lado o que a linguagem não é, vamos voltar para qual linguagem está começando com a questão de como a linguagem funciona.

r n

Como funciona a linguagem?

r n

Em suma, você pode dividir a linguagem em três tópicos.

r n

Existem as palavras que são os componentes básicos das frases que são armazenadas em uma parte da memória de longo prazo que podemos chamar de léxico mental ou dicionário mental. Existem regras, as receitas ou algoritmos que usamos para reunir pedaços de linguagem em trechos mais complexos de linguagem, incluindo sintaxe, as regras que nos permitem reunir palavras em frases e sentenças; Morfologia, as regras que nos permitem reunir pedaços de palavras, como prefixos e sufixos em palavras complexas; Fonologia, as regras que nos permitem combinar vogais e consoantes nas menores palavras. E então todo esse conhecimento da linguagem tem que se conectar ao mundo por meio de interfaces que nos permitem entender a linguagem vinda de outros para produzir uma linguagem que os outros possam nos entender, as interfaces de linguagem.

r n

Palavras

matar um projeto de mapa do mockingbird
r n

Vamos começar com palavras.

r n

O princípio básico de uma palavra foi identificado pelo lingüista suíço Ferdinand de Saussure há mais de 100 anos quando chamou a atenção para a arbitrariedade do signo. Tome, por exemplo, a palavra “pato”. A palavra 'pato' não se parece com um pato, nem anda como um pato ou grasna como um pato, mas posso usá-la para fazer você pensar em um pato, porque todos nós, em algum momento de nossas vidas, temos memorizei aquela associação de força bruta entre aquele som e aquele significado, o que significa que ele tem que ser armazenado na memória em algum formato, de uma forma muito simplificada e uma entrada no léxico mental pode ser algo assim. Existe um símbolo para a própria palavra, existe algum tipo de especificação de seu som e existe algum tipo de especificação de seu significado.

r n

Agora, um dos fatos notáveis ​​sobre o léxico mental é como ele é amplo. Usando técnicas de amostragem de dicionário onde você diz, pegue a palavra da esquerda superior a cada 20º página do dicionário, dê às pessoas em um teste de múltipla escolha, corrija para adivinhação e multiplique pelo tamanho do dicionário, você pode estimar que um típico graduado do ensino médio tem um vocabulário de cerca de 60.000 palavras, o que resulta em um taxa de aprendizagem de cerca de uma palavra nova a cada duas horas a partir de um ano de idade. Quando você pensa que cada uma dessas palavras é arbitrária como o número de telefone de uma data na história, você se lembra da notável capacidade da memória humana de longo prazo de armazenar os significados e sons das palavras.

r n

Mas, claro, não apenas deixamos escapar palavras individuais, nós as combinamos em frases e sentenças. E isso traz à tona o segundo maior componente da linguagem; a saber, gramática.

r n

Regras

r n

Gramática

r n

Agora, o estudo moderno da gramática é inseparável das contribuições de um lingüista, o famoso estudioso Noam Chomsky, que definiu a agenda para o campo da lingüística nos últimos 60 anos.

r n

Para começar, Chomsky observou que o principal quebra-cabeça que temos de explicar para entender a linguagem é a criatividade ou, como os lingüistas costumam chamá-la de produtividade, a capacidade de produzir e compreender novas frases.

r n

Exceto por um pequeno número de fórmulas clichês, praticamente qualquer frase que você produz ou entende é uma combinação totalmente nova produzida pela primeira vez, talvez em sua vida, talvez até mesmo na história da espécie. Temos que explicar como as pessoas são capazes de fazer isso. Mostra que, quando conhecemos um idioma, não apenas memorizamos uma lista muito longa de frases, mas internalizamos uma gramática ou algoritmo ou receita para combinar elementos em conjuntos totalmente novos. Por essa razão, Chomsky insistiu que a linguística é realmente um ramo da psicologia e uma janela para a mente humana.

r n

Um segundo insight é que as línguas têm uma sintaxe que não pode ser identificada com seu significado. Agora, a única citação que eu conheço, de um linguista que realmente fez isso em Bartlett’s Familiar Quotations, é a seguinte frase de Chomsky, de 1956, 'Colorless, green ideas sleep furiously.' Bem, qual é o objetivo dessa frase? A questão é que está muito perto de não ter sentido. Por outro lado, qualquer falante de inglês pode reconhecer instantaneamente que está em conformidade com os padrões de sintaxe do inglês. Compare, por exemplo, “ideias adormecidas furiosamente, sonho incolor”, o que também não tem sentido, mas percebemos como uma palavra salada.

r n

Um terceiro insight é que a sintaxe não consiste em uma série de associações palavra por palavra como nas teorias de resposta a estímulos em psicologia, onde produzir uma palavra é uma resposta que você então ouve e se torna um estímulo para produzir a próxima palavra, e assim por diante . Mais uma vez, a frase “ideias verdes incolores dormem furiosamente” pode ajudar a esclarecer esse ponto. Porque se você olhar as probabilidades de transição palavra por palavra nessa frase, por exemplo, incolor e depois verde; quantas vezes você já ouviu incolor e verde em sucessão. Provavelmente zero vezes. Verde e idéias, essas duas palavras nunca ocorrem juntas, idéias e sono, sono e furiosamente. Cada uma das probabilidades de transição é muito próxima de zero, no entanto, a frase como um todo pode ser percebida como uma frase em inglês bem formada.

r n

A linguagem em geral tem dependências de longa distância. A palavra em uma posição em uma frase pode ditar a escolha da palavra várias posições a jusante. Por exemplo, se você começar uma frase com 'qualquer um', em algum lugar abaixo da linha, deve haver um 'ou'. Se você tem um 'se', geralmente, você espera que em algum lugar no final da linha haja um 'então'. Há uma história sobre uma criança que diz ao pai: 'Papai, por que você trouxe aquele livro que eu não quero que leiam?' Onde você tem um conjunto de dependências de longa distância aninhadas ou integradas.

r n

Na verdade, uma das aplicações da lingüística para o estudo do bom estilo de prosa é que as frases podem ser dificultadas de entender se tiverem muitas dependências de longa distância, porque isso poderia sobrecarregar a memória de curto prazo do leitor ou ouvinte, enquanto tentando entendê-los.

r n

Em vez de um conjunto de associações palavra por palavra, as frases são montadas em uma estrutura hierárquica que se parece com uma árvore de cabeça para baixo. Deixe-me dar um exemplo de como isso funciona no caso do inglês. Uma das regras básicas do inglês é que uma frase consiste em um sintagma nominal, o sujeito, seguido por um sintagma verbal, o predicado.

r n

Uma segunda regra, por sua vez, expande a frase verbal. A própria frase consiste em um verbo seguido por um sintagma nominal, o objeto, seguido por uma frase, o complemento como, 'Eu disse a ele que estava ensolarado lá fora.'

r n

As contribuições de Chomsky

r n

A essência da linguagem são as regras de estrutura de frases

r n

Agora, por que os linguistas insistem que a linguagem deve ser composta de regras estruturais de frase?

r n

(1.) As regras permitem uma criatividade aberta

r n

Bem, para começar, isso ajuda a explicar o principal fenômeno que queremos explicar, principalmente a criatividade aberta da linguagem.

r n

(2.) As regras permitem a expressão de significados desconhecidos

r n

Permite-nos expressar significados desconhecidos. Existe um clichê no jornalismo, por exemplo, que quando um cachorro morde um homem, isso não é notícia, mas quando um homem morde um cachorro, isso é notícia. A beleza da gramática é que ela nos permite transmitir notícias reunindopara dentro palavra familiar em novas combinações. Além disso, devido ao modo como as regras de estrutura de frase funcionam, elas produzem um grande número de combinações possíveis.

r n

(3.) As regras permitem a produção de um grande número de combinações

r n

Além disso, o número de pensamentos diferentes que podemos expressar por meio do poder combinatório da gramática não é apenas enorme, mas, em um sentido técnico, é infinito. Agora, é claro, ninguém vive um número infinito de anos e, portanto, pode gastar sua capacidade de entender um número infinito de frases, mas você pode mostrar isso da mesma forma que um matemático pode dizer que alguém que entende as regras de a aritmética sabe que há um número infinito de números, ou seja, se alguém alguma vez alegou ter encontrado o mais longo, você sempre pode encontrar um que seja ainda maior adicionando um a ele. E você pode fazer a mesma coisa com a linguagem.

r n

Deixe-me ilustrar da seguinte maneira. Na verdade, houve uma alegação de que existe a sentença mais longa do mundo.

r n

Quem faria tal afirmação? Bem, quem mais? O Livro Guinness dos Recordes Mundiais . Você pode pesquisar. Há uma entrada para a frase mais longa do mundo. Tem 1.300 palavras. E vem de um romance de William Faulkner. Agora não vou ler todas as 1.300 palavras, mas vou apenas dizer como tudo começa.

r n

'Ambos suportaram como se estivessem em exaltação flatulenta deliberada & hellip;' e continua a partir daí.

r n

Mas estou aqui para lhe dizer que, na verdade, esta não é a frase mais longa do mundo. E fiquei tentado a obter a imortalidade no Guinness enviando o seguinte recorde. 'Faulkner escreveu, os dois agüentaram como se estivessem em exaltação flatulenta deliberada. ” Mas, infelizmente, isso não seria imortalidade afinal, mas apenas os proverbiais 15 minutos de fama, porque com base no que você sabe agora, você poderia enviar um recorde para o recorde, ou seja, 'Guinness observou que Faulkner escreveu' ou 'Pinker mencionou isso O Guinness observou que Faulkner escreveu ', ou' quem se importa se Pinker mencionou que o Guinness observou que Faulkner escreveu & hellip; '

r n

Tomemos, por exemplo, a seguinte frase maravilhosamente ambígua que apareceu emguia de TV . 'No programa de hoje à noite, Conan vai discutir sexo com a Dra. Ruth.'

r n

Agora, isso tem um significado perfeitamente inocente em que o verbo 'discutir' envolve duas coisas, a saber, o tópico da discussão, 'sexo' e a pessoa com quem está sendo discutido, neste caso, com a Dra. Ruth. Mas tem um significado um pouco mais travesso se você reorganizar as palavras em frases de acordo com uma estrutura diferente, caso em que 'sexo com a Dra. Ruth' é o tema da conversa, e é isso que está sendo discutido.

r n

Agora, a estrutura de frase não só pode ser responsável por nossa capacidade de produzir tantas frases, mas também é necessário que entendamos o que elas significam. A geometria dos ramos em uma estrutura de frase é essencial para descobrir quem fez o quê a quem.

r n

Crianças são conectadas com gramática universal

r n

Outra contribuição importante de Chomsky para a ciência da linguagem é o foco na aquisição da linguagem pelas crianças. Agora, as crianças não conseguem memorizar frases porque o conhecimento da linguagem não é apenas uma longa lista de frases memorizadas, mas de alguma forma elas devem destilar ou abstrair as regras que entram na montagem de frases com base no que ouvem saindo da boca de seus pais quando eles eram pequenos. E o talento de usar regras para produzir combinações fica em evidência desde o momento em que as crianças começam a falar.

r n

Crianças criam frases inéditas de adultos

r n

No estágio de duas palavras, que normalmente ocorre em crianças com 18 meses ou um pouco mais, as crianças estão produzindo as menores frases que merecem ser contadas como frases, ou seja, duas palavras. Mas já está claro que eles os estão montando usando regras em suas próprias mentes. Para dar um exemplo, uma criança pode dizer “mais fora”, ou seja, leve-os para fora ou deixe-os ficar fora. Agora, os adultos não dizem, 'mais fora'. Portanto, não é uma frase que a criança simplesmente memorizou de cor, mas mostra que as crianças já estão usando essas regras para montar novas combinações.

r n

Outro exemplo, uma criança com geléia lavada de seus dedos disse à mãe 'tudo ficou pegajoso'. Novamente, não é uma frase que você jamais poderia ter copiado de um pai, mas uma que mostra a criança produzindo novas combinações.

r n

Regra do pretérito

r n

Uma maneira fácil de mostrar que as crianças assimilam regras gramaticais inconscientemente desde o momento em que começam a falar é o uso da regra do pretérito.

r n

Por exemplo, as crianças passam por um longo estágio em que cometem erros como, 'Nós seguramos os coelhos bebês' ou 'Ele rasgou o papel e depois o espetou'. Casos em que eles generalizam demais a regra regular de formação do pretérito, adicionam 'ed' a verbos irregulares como 'segurar', 'colar' ou 'rasgar'. E é fácil mostrar o & hellip; é fácil fazer as crianças exibirem essa capacidade de aplicar regras de maneira produtiva em uma demonstração de laboratório chamada Teste Wug. Você traz uma criança para um laboratório. Você mostra a eles a foto de um passarinho e diz: “Este é um wug”. E você mostra a eles outra foto e diz: 'Bem, agora há dois deles.' Existem dois e as crianças preencherão a lacuna dizendo 'wugs'. Novamente, uma forma que eles não poderiam ter memorizado porque foi inventada para o experimento, mas mostra que eles têm domínio produtivo da regra do plural regular em inglês.

r n

E, notoriamente, Chomsky afirmou que as crianças resolveram o problema da aquisição da linguagem tendo o projeto geral da linguagem já conectado a elas na forma de uma gramática universal.

r n

Uma folha de especificações de como devem ser as regras de qualquer idioma.

r n

Pobreza de entrada - as crianças usam regras dependentes de estrutura

r n

Qual é a evidência de que as crianças nascem com uma gramática universal? Bem, surpreendentemente, Chomsky não propôs isso estudando crianças no laboratório ou em casa, mas por meio de um argumento mais abstrato chamado 'A pobreza da entrada'. Ou seja, se você olhar para o que se passa nos ouvidos de uma criança e olhar para o talento que eles acabam adquirindo como adultos, há um grande abismo entre eles que só pode ser preenchido assumindo que a criança tem muito conhecimento sobre a forma como essa linguagem funciona já incorporada.

r n

É assim que o argumento funciona. Uma das coisas que as crianças precisam aprender quando aprendem inglês é como formular uma pergunta. Agora, as crianças obterão evidências da fala dos pais de como a regra da pergunta funciona, como frases como 'O homem está aqui' e a pergunta correspondente, 'O homem está aqui?'

r n

Agora, logicamente falando, uma criança que recebe esse tipo de entrada pode postular dois tipos diferentes de regras. Existe uma regra linear simples palavra por palavra. Nesse caso, encontre o primeiro “é” na frase e mova-o para a frente. 'O homem está aqui', 'O homem está aqui?' Agora, há uma regra mais complexa que a criança poderia postular, chamada de regra dependente da estrutura, que analisa a geometria da árvore de estrutura de frases. Nesse caso, a regra seria: encontre o primeiro “é” após o sintagma nominal sujeito e mova-o para a frente da sentença. Um diagrama de como essa regra se pareceria é o seguinte: você procura o 'é' que ocorre após o sintagma nominal sujeito e é isso que é movido para a frente da frase.

r n

Agora, qual é a diferença entre a regra simples palavra por palavra e a regra dependente estruturada mais complexa? Bem, você pode ver a diferença quando se trata de fazer a pergunta a partir de uma frase um pouco mais complexa, como 'O homem que é alto está na sala'.

é a dieta do tipo sanguíneo legítima
r n

Mas como a criança deve aprender isso? Como todos nós acabamos com o dependente estruturado correto da regra, em vez da versão muito mais simples palavra por palavra da regra?

r n

“Bem”, argumenta Chomsky, “se você fosse realmente olhar para o tipo de linguagem que todos nós ouvimos, na verdade é muito raro ouvir uma frase como:“ O homem que é alto está na sala? O tipo de entrada que informa logicamente que a regra palavra por palavra está errada e a regra dependente da estrutura está certa. No entanto, todos nós crescemos e nos tornamos adultos que inconscientemente usam a regra da estrutura dependente, em vez da regra palavra por palavra. Além disso, as crianças não cometem erros como 'é o homem que é alto está na sala', assim que começam a formar perguntas complexas, elas usam a regra dependente da estrutura. E isso ”, argumenta Chomsky,“ é uma evidência de que as regras dependentes da estrutura são parte da definição da gramática universal com a qual as crianças nascem. ”

r n

Críticas a Chomsky

r n

Agora, embora Chomsky tenha sido fantasticamente influente na ciência da linguagem, isso não significa que todos os cientistas da linguagem concordem com ele. E tem havido uma série de críticas a Chomsky ao longo dos anos. Por um lado, os críticos apontam, Chomsky não mostrou realmente os princípios da gramática universal que são específicos da própria linguagem, em oposição às formas gerais em que a mente humana funciona em vários domínios, linguagem e visão e controle de movimento e memória e em breve. Não sabemos realmente que a gramática universal é específica da linguagem, de acordo com esta crítica.

r n

Em segundo lugar, Chomsky e os linguistas que trabalham com ele não examinaram todas as 6.000 línguas do mundo e mostraram que os princípios da gramática universal se aplicam a todas as 6.000. Eles a postularam com base em um pequeno número de línguas e na lógica da pobreza da entrada, mas não chegaram realmente aos dados que seriam necessários para provar que a gramática universal é realmente universal.

r n

Finalmente, os críticos argumentam, Chomsky não mostrou que modelos de aprendizagem de propósito mais geral, como modelos de rede neuro, são incapazes de aprender a linguagem junto com todas as outras coisas que as crianças aprendem e, portanto, não provou que deve haver conhecimento específico como a gramática funciona para que a criança aprenda a gramática.

r n

Fonologia

r n

Outro componente da linguagem governa o padrão sonoro da linguagem, as maneiras como as vogais e consoantes podem ser reunidas nas unidades mínimas que formam as palavras. A fonologia, como é chamado esse ramo da lingüística, consiste em regras de formação que captam o que é uma palavra possível em uma língua de acordo com a forma como ela soa. Para dar um exemplo, a sequência, bluk, não é uma palavra em inglês, mas você percebe que poderia ser uma palavra em inglêsque alguém poderia cunhar uma nova forma & hellip; que alguém poderia cunhar um novo termo em inglês que pronunciamos “bluk”. Mas quando você ouve o som ****, você sabe instantaneamente quenaquela não apenas não é uma palavra em inglês, mas realmente não poderia ser uma palavra em inglês. ****, por falar nisso, vem do iídiche e significa meio que suspirar ou gemer. Oi. Isso é merda.

r n

A razão pela qual reconhecemos que não é inglês é porque tem sons como **** e sequências como ****, que não fazem parte das regras de formação da fonologia do inglês. Mas junto com as regras que definem as palavras básicas de um idioma, existem também regras fonológicas que fazem ajustes nos sons, dependendo de como as outras palavras a palavra aparece. Muito poucos de nós percebemos, por exemplo, em inglês, que o sufixo de pretérito “ed” é na verdade pronunciado de três maneiras diferentes. Quando dizemos “ele andou”, pronunciamos o “ed” como um “ta”, andou. Quando dizemos “correu”, nós o pronunciamos como “d”, correu. E quando dizemos “patted”, colocamos uma vogal, pat-ted, mostrando que o mesmo sufixo “ed” pode ser reajustado em sua pronúncia de acordo com as regras da fonologia do inglês.

r n

Agora, quando alguém adquire o inglês como língua estrangeira ou adquire uma língua estrangeira em geral, eles carregam as regras da fonologia de sua primeira língua e as aplicam à sua segunda língua. Temos uma palavra para isso; nós o chamamos de 'sotaque'. Quando um usuário da língua manipula deliberadamente as regras da fonologia, ou seja, quando não fala apenas para transmitir um conteúdo, fica atento a quais estruturas fonológicas estão sendo utilizadas; nós o chamamos de poesia e retórica.

r n

Interfaces de linguagem

r n

Até agora, tenho falado sobre o conhecimento da linguagem, as regras que definem quais são as possíveis sequências da linguagem. Mas essas sequências precisam entrar no cérebro durante a compreensão da fala e sair durante a produção da fala. E isso nos leva ao tópico das interfaces de linguagem.

r n

E vamos começar com a produção.

r n

Produção Linguística

r n

Este diagrama aqui é literalmente um cadáver humano que foi serrado ao meio. Um anatomista pegou uma serra e [som] permitindo ver em seção transversal o trato vocal humano. E isso pode ilustrar como transferimos o conhecimento da linguagem para o mundo como uma sequência de sons.

r n

Agora, cada um de nós tem no topo de nossa traqueia ou traquéia, uma estrutura complexa chamada laringe ou caixa de voz; está por trás do seu Adam’s Apple. E o ar que sai dos pulmões tem que passar por duas abas cartilaginosas que vibram e produzem uma fonte sonora rica e vibrante, cheia de harmônicos. Antes que esse som vibrante chegue ao mundo, ele tem que passar por uma luva ou câmaras do trato vocal. A garganta atrás da língua, a cavidade acima da língua, a cavidade formada pelos lábios e, quando você bloqueia o fluxo de ar pela boca, ele pode sair pelo nariz.

r n

Agora, cada uma dessas cavidades tem uma forma que, graças às leis da física, vai amplificar alguns dos harmônicos naquela fonte sonora barulhenta e suprimir outros. Podemos mudar a forma dessas cavidades quando movemos nossa língua. Quando movemos nossa língua para frente e para trás, por exemplo, como em 'eh', 'aa', 'eh', 'aa', mudamos a forma da cavidade atrás da língua, mudamos as frequências que são amplificadas ou suprimidas e o ouvinte as ouve como duas vogais diferentes.

r n

Da mesma forma, quando elevamos ou abaixamos a língua, mudamos a forma da cavidade ressonante acima da língua, como, por exemplo, 'eh', 'ah', 'eh', 'ah'. Mais uma vez, a mudança na mistura de harmônicos é percebida como uma mudança na natureza da vogal.

r n

Quando paramos o fluxo de ar e o liberamos como em 't', 'ca', 'ba'. Então, ouvimos uma consoante em vez de uma vogal ou mesmo quando restringimos o fluxo de ar como em “f”, “ss” produzindo um som ruidoso caótico. Cada um desses sons esculpidos por diferentes articuladores é percebido pelo cérebro como uma vogal ou consoante qualitativamente diferente.

r n

Agora, uma peculiaridade interessante da trilha vocal humana é que ela obviamente coopera com estruturas que evoluíram para diferentes propósitos para respirar e engolir e assim por diante. E é um & hellip; E é um fato interessante observado pela primeira vez por Darwin que a laringe ao longo da evolução desceu na garganta de modo que cada partícula de comida que vai da boca, através do esôfago ao estômago, tem que passar pela abertura na laringe com alguma probabilidade de ser inalado, levando ao perigo de morte por asfixia. E, de fato, até a invenção da Manobra de Heimlich, vários milhares de pessoas morriam todos os anos de asfixia por causa dessa má adaptação do trato vocal humano.

r n

Por que desenvolvemos uma boca e uma garganta que nos deixam vulneráveis ​​à asfixia? Bem, uma hipótese plausível é que é um compromisso que foi feito no curso da evolução para nos permitir falar. Ao dar amplitude a uma variedade de possibilidades para alternar as cavidades ressonantes, para mover a língua para frente e para trás e para cima e para baixo, expandimos a gama de sons da fala que poderíamos fazer, melhorar a eficiência da linguagem, mas sofremos o comprometimento de um aumento risco de engasgar mostrando que a linguagem presumivelmente tinha alguma vantagem de sobrevivência que compensava a desvantagem de engasgar.

r n

E quanto ao fluxo de informações na outra direção, ou seja, do mundo para o cérebro, o processo de compreensão da fala?

r n

Compreensão da fala

r n

A compreensão da fala acaba sendo um processo computacional extraordinariamente complexo, do qual somos lembrados sempre que interagimos com um menu de correio de voz em um telefone ou quando usamos um ditado em nossos computadores. Por exemplo, um escritor, usando os sistemas de fala para texto de última geração, ditou as seguintes palavras em seu computador. Ele ditou 'tour do livro' e saiu na tela como 'voltar ao trabalho'. Outro exemplo, ele disse, “Eu realmente não conseguia ver”, e saiu na tela como “um MC cruelmente bom”. Ainda mais desconcertante, ele começou uma carta para seus pais dizendo: “Queridos mamãe e papai”, e o que apareceu na tela, “O homem está morto”.

r n

Agora, os sistemas de ditado estão cada vez melhores, mas ainda têm um longo caminho a percorrer antes de poderem duplicar um taquígrafo humano.

r n

O que há no problema de compreensão da fala que o torna tão fácil para um humano, mas tão difícil para um computador? Bem, existem dois contribuidores principais. Um deles é o fato de que cada falsa, cada vogal ou consoante realmente sai muito diferente, dependendo do que vem antes e do que vem depois. Um fenômeno às vezes chamado de co-articulação.

r n

Deixe-me lhe dar um exemplo. O lugar chamado Cape Cod tem dois sons “c”.

r n


Cada um deles simbolizado pela letra “C”, o “C” duro No entanto, quando você presta atenção na maneira como você os pronuncia, percebe que, na verdade, você os pronuncia em partes muito diferentes da boca. Tente. Cape Cod, Cape Cod & hellip; “C,” “c”. Em um caso, o “c” é produzido na boca; o outro é produzido muito mais adiante. Não notamos que pronunciamos 'c' de duas maneiras diferentes, dependendo se vem antes de um 'a' ou um 'ah', mas essa diferença forma uma diferença na forma da cavidade ressonante em nossa boca que produz uma forma de onda diferente. E a menos que um computador seja especificamente programado para levar em conta essa variabilidade, ele perceberá esses dois 'cs' diferentes, como um som diferente que, falando objetivamente, eles realmente são: 'c-eh' 'c-oa'. Eles realmente são sons diferentes, mas nosso cérebro os agrupa.

r n

O outro motivo pelo qual o reconhecimento de fala é um problema tão difícil é a ausência de segmentação. Agora temos uma ilusão quando ouvimos uma fala que consiste em uma sequência de sons correspondentes a palavras. Mas se você realmente olhasse para a forma de onda de uma frase em um osciloscópio, não haveria pequenos silêncios entre as palavras do jeito que há pequenos pedaços de espaço em branco nas palavras impressas em uma página, mas sim uma fita contínua na qual o final de uma palavra leva direto ao início da próxima.

r n

É algo que conhecemos & hellip; É algo de que estamos cientes quando ouvimos uma fala em uma língua estrangeira, quando não temos ideia de onde uma palavra termina e a outra começa. Em nossa própria língua, detectamos os limites das palavras simplesmente porque, em nosso léxico mental, temos trechos de som que correspondem a uma palavra que nos diz onde ela termina. Mas você não pode obter essas informações da própria forma de onda.

r n

Na verdade, há todo um gênero de jogo de palavras que tira vantagem do fato de que os limites das palavras não estão fisicamente presentes na onda de fala. Novidades como Mairzy doats e dozy doats e liddle lamzy divey
Um mergulho infantil também, sapato de madeira?

Agora, descobriu-se que esta é na verdade uma sequência gramatical em palavras em inglês & hellip; As éguas comem aveia e comem aveia e os cordeirinhos comem hera, uma criança também comeria, não é?

r n

Quando é falado ou cantado normalmente, os limites entre as palavras são obliterados e, portanto, a mesma sequência de sons pode ser percebida como um absurdo ou, se você souber o que eles significam, como frases.

r n

Outro exemplo familiar para a maioria das crianças, Fuzzy Wuzzy era um urso, Fuzzy Wuzzy não tinha cabelo. Fuzzy Wuzzy não era muito confuso, era? E o famoso cãozinho, Eu grito, você grita, todos nós gritamos por sorvete.

r n

Geralmente, não temos consciência de como a linguagem é inequívoca. No contexto, nós derivamos sem esforço e inconscientemente o significado pretendido de uma frase, mas um computador pobre não equipado com todo o nosso bom senso e habilidades humanas e apenas seguindo as palavras e as regras geralmente fica pasmo com todas as diferentes possibilidades. Pegue uma frase tão simples como 'Mary comeu um cordeirinho', você pode pensar que é uma frase perfeitamente simples e inequívoca. Mas agora imagine que foi continuado com 'com molho de hortelã'. Você percebe que “ter” é, na verdade, uma palavra altamente ambígua. Como resultado, as traduções do computador podem muitas vezes fornecer resultados comicamente incorretos.

r n

De acordo com a lenda, um dos primeiros sistemas de computador que foi projetado para traduzir do inglês para o russo e vice-versa fez o seguinte com a frase: 'O espírito está disposto, mas a carne é fraca', foi traduzido de volta como 'A vodka é agradável, mas a carne está podre. ”

r n

Pragmáticos

r n

Então, por que as pessoas entendem a linguagem muito melhor do que os computadores? Qual é o conhecimento que temos que tem sido tão difícil de programar em nossas máquinas? Bem, há uma terceira interface entre a linguagem e o resto da mente, e esse é o assunto do ramo da linguística chamado Pragmática, ou seja, como as pessoas entendem a linguagem em contexto usando seu conhecimento do mundo e suas expectativas sobre como outros falantes comunicar.

r n

O princípio mais importante da Pragmática é chamado de “princípio cooperativo”, a saber; suponha que seu parceiro de conversação esteja trabalhando com você para tentar obter um significado verdadeiro e claro. E nosso conhecimento de Pragmática, como nosso conhecimento de sintaxe e fonologia e assim por diante, é desenvolvido sem esforço, mas envolve muitos cálculos intrincados. Por exemplo, se eu dissesse: “Se você pudesse passar o guacamole, seria incrível”. Você entende isso como um significado de pedido educado, me dê o guacamole. Você não interpreta isso literalmente como uma ruminação sobre um caso hipotético, você apenas assume que a pessoa queria algo e estava usando aquela sequência de palavras para transmitir o pedido educadamente.

r n

Freqüentemente, as comédias usam a ausência de pragmática nos robôs como fonte de humor. Como na velha comédia de situação 'Get Smart', que tinha um robô chamado Hymie, e uma piada recorrente na série seria que Maxwell Smart diria a Hymie: 'Hymie, você pode me dar uma mão?' E então Hymie iria, {som}, remover sua mão e passá-la para Maxwell Smart sem entender que “me dê uma mão”, no contexto significa, me ajude em vez de literalmente transferir a mão para mim.

r n

Ou veja o seguinte exemplo de Pragmática em ação. Considere o seguinte diálogo, Martha diz: “Estou deixando você”. João diz: 'Quem é ele?' Agora, a compreensão da linguagem requer encontrar os pronomes antecedentes, neste caso a quem o 'ele' se refere, e qualquer falante de inglês competente sabe exatamente quem o 'ele' é, presumivelmente o rival romântico de John, embora nunca tenha sido declarado explicitamente em qualquer parte do O diálogo. Isso mostra como aplicamos na linguagem a compreensão de um vasto conhecimento sobre o comportamento humano, as interações humanas, as relações humanas. E muitas vezes temos que usar esse conhecimento de fundo até mesmo para resolver problemas mecânicos como, a quem se refere um pronome como “ele”. É esse conhecimento que é extraordinariamente difícil, para dizer o mínimo, de programar em um computador.

r n

O Milagre da Linguagem

r n

A linguagem é um milagre do mundo natural porque nos permite trocar um número ilimitado de idéias usando um conjunto finito de ferramentas mentais. Essas ferramentas mentais compreendem um grande léxico de palavras memorizadas e uma poderosa gramática mental que pode combiná-las. A linguagem pensada dessa maneira não deve ser confundida com a escrita, com as regras prescritivas da gramática ou estilo próprios ou com o próprio pensamento.

r n

A lingüística moderna é guiada pelas questões, embora nem sempre pelas respostas sugeridas pelo lingüista conhecido como Noam Chomsky, ou seja, como a criatividade ilimitada da linguagem é possível? Quais são as estruturas mentais abstratas que relacionam as palavras umas às outras? Como as crianças os adquirem?

r n

O que é universal entre os idiomas? E o que isso diz sobre a mente humana?

quais são os dois elementos atuais do sonho americano
r n

Por que estudar lingüística?

r n

O estudo da linguagem tem muitas aplicações práticas, incluindo computadores que entendem e falam, o diagnóstico e tratamento de distúrbios da linguagem, o ensino da leitura, escrita e línguas estrangeiras, a interpretação da linguagem do direito, política e literatura.

r n

Mas, para alguém como eu, a linguagem é eternamente fascinante porque fala a essas questões fundamentais da condição humana.[Língua] está realmente no centro de uma série de diferentes preocupações do pensamento, das relações sociais, da biologia humana, da evolução humana, que falam sobre o que há de especial na espécie humana.

r n

A linguagem é o talento humano mais característico. A linguagem é uma janela para a natureza humana e, mais significativamente, o vasto poder expressivo da linguagem é uma das maravilhas do mundo natural. Obrigada.

Como é que os seres humanos adquiriram a linguagem? A introdução de Steven Pinker ao campo inclui pensamentos sobre a evolução da linguagem falada e o debate sobre a existência de uma gramática universal inata, bem como uma exploração de por que a linguagem é uma parte fundamental das relações sociais, biologia humana e evolução humana. Por fim, Pinker aborda a ampla variedade de aplicações da linguística, desde o aprimoramento de como ensinamos a ler e escrever até como interpretamos o direito, a política e a literatura.

Idéias Frescas

Categoria

Outro

13-8

Cultura E Religião

Alquimista Cidade

Livros Gov-Civ-Guarda.pt

Gov-Civ-Guarda.pt Ao Vivo

Patrocinado Pela Fundação Charles Koch

Coronavírus

Ciência Surpreendente

Futuro Da Aprendizagem

Engrenagem

Mapas Estranhos

Patrocinadas

Patrocinado Pelo Institute For Humane Studies

Patrocinado Pela Intel The Nantucket Project

Patrocinado Pela Fundação John Templeton

Patrocinado Pela Kenzie Academy

Tecnologia E Inovação

Política E Atualidades

Mente E Cérebro

Notícias / Social

Patrocinado Pela Northwell Health

Parcerias

Sexo E Relacionamentos

Crescimento Pessoal

Podcasts Do Think Again

Patrocinado Por Sofia Gray

Vídeos

Patrocinado Por Sim. Cada Criança.

Recomendado